sábado, 1 de dezembro de 2018

[Resenha] Peter Pan

|
Autor: J. M. Barrie
Páginas: 253
Editora: Zahar
Peter Pan transporta crianças e adultos pra um mundo mágico, povoado pela família Darling e pelos habitantes da Terra do Nunca - Peter Pan, os meninos perdidos, Sininho, o Capitão Gancho e seus piratas...








Peter Pan é um clássico da literatura, escrito por J. M. Barrie e publicado pela Editora Zahar. A história é inspirada no seu irmão que morreu ainda criança e nunca chegou a crescer. Essa é a primeira vez que eu tenho contato com a obra do autor, até então só conhecia o desenho e filme, mas me recordo que sempre achei Peter Pan uma criança bastante rebelde, no entanto, esse clássico se mostra bem mais sombrio. Peter Pan é um personagem traiçoeiro, mau e autoritário, bem diferente da adaptação da Disney. Fiquei bastante surpresa de encontrar uma história que fala sobre morte e crueldades sem nenhum medo. Eu realmente não me recordo de ter encontrado alguma essência disso nas adaptações que eu assisti, talvez porque era criança e não via maldade em certas coisas.

Não posso deixar de lado Sininho, que em minhas memórias sempre foi uma fadinha meiga, apesar de um pouco ciumenta. Na história original ela é egoísta, cruel e vingativa, não conseguimos ver nada de fada amável e fofinha. Sininho não gosta de dividir a atenção de Peter Pan, ainda mais quando entra em cena Wendy.

Sininho não era só maldade; melhor dizendo: ela era só maldade naquele momento, mas por outro lado elas às vezes era só bondade.

A Sra. Darling é uma mulher doce, e muito preocupada com os filhos, enquanto que o Sr. Darling é um homem orgulhoso e muito preocupado com as finanças e as bocas que precisa alimentar. O casal sempre viveu no limite em questões de finanças, mas o amor pelos filhos superava qualquer coisa. Wendy, a irmã mais velha, Miguel e João sonhavam quase todas as noites com uma ilha incrível, onde tudo pode acontecer. Os três sempre acordavam contando tudo o que vivenciaram nos sonhos para a mãe, que vagamente se recorda de ter tido o mesmo sonho quando era criança.


Certa noite o Sr. e a Sra. Darling vão para um jantar e deixam as crianças aos cuidados da babá, Naná, uma cachorrinha Terra-Nova. Naná é uma babá excelente, sempre cuidando das crianças: alimenta, leva para a escola, dá remédios e ajuda a tomar banho e se vestir. Mas, por um acaso, nesta noite em que as crianças ficaram sozinhas ela acaba não podendo estar por perto (algo que o Sr. Darling se culpa eternamente), e é quando Peter Pan e Sininho surgem na janela do quarto das crianças, e o garoto convence os irmãos a irem para a Terra do Nunca.

Eles passam vários dias viajando, e quando finalmente chegam à Terra do Nunca, Wendy não tem certeza de querer ficar, ela sente muita saudade de casa. Peter, no entanto, acaba convencendo Miguel e João, e junto com os outros meninos perdidos eles criam uma casa para Wendy, onde ela poderá ser a mãe deles.

Toda criança se sente atingida desse modo na primeira vez que sofre uma injustiça. Quando ela chega até alguém, acredita piamente que é seu direito ser tratada com justiça. Depois que você lhe faz uma injustiça ela voltará a amá-lo, mas nunca mais será a mesma criança.

E realmente Wendy acaba se tornando como uma mãe para os garotos e Peter Pan, o pai. Essa dinâmica é muito esquisita, mas as aventuras e os faz de conta acabam os fazendo esquecer de sua família. Wendy precisa lembrar constantemente dos pais para João e Miguel não esquecê-los. 

Peter Pan é um livro que fala sobre crianças que não querem crescer, mas nas entrelinhas nos perguntamos se tudo o que acontece é realmente fantasia ou são apenas crianças de rua que possuem uma imaginação fértil. Alguns assuntos tratados na obra não são nem um pouco adequados para crianças, pois mostram a morte como se fosse algo banal; como se tudo bem fazer mal a outras pessoas.

No entanto, ainda assim é uma leitura incrível e que nos dá uma certa nostalgia. Afinal, realmente é muito bom ser criança, não é mesmo? Essa edição de bolso da Zahar está muito linda. A capa é dura, e os detalhes são muito cuidadosos. Eu gostei bastante da leitura, ela é fluída e cheia de aventuras.

6 comentários:

  1. Oi Andressa! Achei bacana você trazer um clássico e nos surpreender com essas revelações sobre o Peter e a Sininho. Um livro um pouco esquisito para crianças, que me despertou a vontade de também fazer a leitura, ainda mais sendo edição da Zahar. Beijos

    Nara Dias
    Viagens de Papel

    ResponderExcluir
  2. Oi Andressa,
    Nunca consegui gostar de Peter Pan, talvez porque eu só tenha conhecido melhor a história na adolescência e por causa disso nunca consegui me conectar com os personagens (principalmente com a Sininho, sempre achei ela insuportável) ou talvez porque só conheci a história através de adaptações. Fiquei até surpresa quando mencionou uma certa maldade de Peter e Sininho e como nunca tinha percebido isso, mas acho que isso se deve ao fato de que a história foi tendo diversas interpretações ao longo dos anos e isso muda a essência. Eu não sabia que o autor havia se inspirado em seu irmão para criar esta obra, foi um gesto lindo e acredito que muito do que ele descreve na trama, como as questões envolvendo a morte, e a forma como aborda certos assuntos se deva a esta perda tão triste.

    ResponderExcluir
  3. Gostei bastante da capa e as edições da Zahar costumam ser bem lindas, e esta provavelmente deve ser assim né?
    Eu tentei gostar de Peter Pan, mas eu não sei o exato motivo mas não consigo gostar da história, já vi várias versões, filmes e tal, mas não consigo gostar disso.
    Achei interessante sua análise, creio que uma metáfora para crianças de rua combina com a história até certo ponto, mas não tiro o crédito.

    Debyh
    Eu Insisto

    ResponderExcluir
  4. Oi Andressa, tudo bem? Eu gosto de ler clássicos, principalmente esses infantis! E as edições da editora Zahar estão cada vez mais lindos, fica impossível resistir a esses livrinhos néh?
    Acho interessante a história do Peter Pan mas, não sou fã e por isso, nunca realizei a leitura dos livros, pretendo comprar para ter na minha coleção e, posteriormente ler para os meus sobrinhos quando estiverem maiores, porque ele é bem arteiro...kk

    Gostei da sua resenha, indicação e as suas fotos ficaram lindissimas!
    Beijos e Abraços Vivi
    Resenhas da Viviane

    ResponderExcluir
  5. Olá Andressa, ainda não tive a chance de ler esse clássico, mas morro de vontade, pelos seus comentários ele parece bem diferente das varias adaptações dele, um tanto mais sombrio *-* Essa edição da editora Zahar parece estar toda caprichada *-*

    ResponderExcluir
  6. Eu sempre fico admirando a beleza que é as edições da Zahar, mas não tenho nenhum rs.
    Mas quanto a sua resenha, eu adorei, adorei saber sua opinião sincera sobre tal e que mesmo que algumas partes tenha lhe desagradado a história como um todo você gostou.

    Beijos

    ResponderExcluir