quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

[Resenha] Mais lindo que a lua

|
Autora: Julia Quinn
Páginas: 272
Editora: Arqueiro
Série: Irmãs Lyndon, 1
Foi amor à primeira vista. Mas Victoria Lyndon era a filha do vigário, e Robert Kemble, o elegante conde de Macclesfield. Foi o que bastou para os pais dos dois serem contra a união. Assim, quando o plano de fuga dos jovens deu errado, todos acreditaram que foi melhor assim.
Sete anos depois, quando Robert encontra Victoria por acaso, não consegue acreditar no que acontece: a garota que um dia destruiu seus sonhos ainda o deixa sem fôlego. E Victoria também logo vê que continua impossível resistir aos encantos dele. Mas como ela poderia dar uma segunda chance ao homem que lhe prometeu casamento e depois despedaçou suas esperanças?
Então, quando Robert lhe oferece um emprego um tanto incomum – ser sua amante –, Victoria não aceita, incapaz de sacrificar a dignidade, mesmo por ele. Mas Robert promete que Victoria será dele, não importa o que tenha que fazer. Depois de tantas mágoas, será que esses dois corações maltratados algum dia serão capazes de perdoar e permitir que o amor cure suas feridas?


Mais lindo que a lua é o primeiro livro da série Irmãs Lyndon, da autora Julia Quinn. Eu simplesmente adoro os romances de época dessa autora, porém, esse não é o melhor que eu já li até agora. A trama tem algumas ressalvas, infelizmente. Mas, de forma geral, a história é agradável. Há quem não acredite em amor à primeira vista, eu inclusive, mas não vejo nenhum mal em acontecer isso em um livro. Nessa obra, no entanto, percebemos que o que ocorre não é bem um amor à primeira vista, mas uma paixão avassaladora entre duas pessoas muitos jovens e que ainda não conhecem muito bem a vida.

Victoria Lyndon é a filha do vigário local. Ela e sua irmã moram sozinhas com o pai, após a morte da mãe. Ele é um homem bastante rígido, principalmente por conta de sua posição, por isso quando descobre da aproximação de sua filha mais velha com o conde de Macclesfield, o vigário tenta alertar Victoria que Robert não está realmente apaixonado por ela, ele só quer usá-la.

O relacionamento de Victoria e Robert acontece às escondidas e é muito intenso. O conde quer casar com essa moça que despertou sua atenção desde o primeiro momento. Porém, seu pai também é contra a ideia, pois a garota não tem nenhuma posição social, ela é apenas a filha do vigário. O pai de Robert também tenta fazê-lo mudar de ideia e tenta colocar em sua cabeça que ela está é interessada em seu dinheiro.

Apesar de tanta negatividade de ambas as famílias, os dois passam por momentos extremamente lindos. É o típico primeiro amor, onde tudo é perfeito e os dois se mostram perdidamente apaixonados um pelo outro. A única forma de eles ficaram juntos é fugindo, então os jovens resolvem bolar um plano. Quando enfim chega o dia da fuga, tudo dá errado. Os dois percebem que não era para ser, e seguem rumos totalmente opostos.


Sete anos depois, Victoria está trabalhando como perceptora em uma casa, e precisa aturar uma criança extremamente mal educada e uma patroa sem noção e cruel. Para piorar, em um dia que ocorre uma grande festa na casa, a garota reencontra Robert, aquele que a enganou e destruiu todos suas expectativas de felicidade. Robert não fica muito feliz de ver Victoria, tampouco, pois ele entregou seu coração e desde então nunca foi mais o mesmo.

É então que entram as minhas ressalvas: o motivo de os dois se separarem foi um pouco absurdo, mas consegui relevar. No entanto, não consegui ficar muito confortável com o comportamento de Robert que se mostrou alguém vingativo e abusivo. Ele não se preocupou em nenhum momento com as opiniões de Victoria, mesmo quando as coisas se acalmaram um pouco entre os dois. Robert pretendia se vingar da moça que destruiu seu coração, mas percebeu que nunca parou de amá-la, e então começa uma grande perseguição para obrigá-la a se casar com ele. Bem em um momento que Victoria estava adorando sua independência. 

Então, eu tive uma relação de amor e ódio com essa história. Ao mesmo tempo que eu adoro romances em que as pessoas se reencontram e provam que sempre se amaram, eu não consegui gostar do personagem masculino. Sua tentativa de reconquistar Victoria foi muito pitoresca e sem sentido. Temos alguns diálogos divertidos, mas esse foi aquele momento em que eu torci para os dois não ficarem juntos. Gostei de ver Victoria independente, e eu acho que ela merecia alguém melhor.

Mais lindo que a lua tem uma leitura fluída, mas como eu disse, não é o melhor romance da autora. Apesar das ressalvas dá para se envolver com a história e dar boas risadas com a implicância entre Robert e Victoria. Estou curiosa para ler o próximo livro. 

9 comentários:

  1. ah amores impossíveis.... (suspiros)
    adoro essas histórias assim de casais que nao podem ficar juntos mas conseguem ficar <3
    amei sua indicação, obigada

    ResponderExcluir
  2. Não é a primeira resenha que eu encontro que coloca essa ressalva na trama.
    Faz tempo que não leio nada da autora e confesso que não me sinto mais atraída por essa gênero literário. Mas esses clichês são tão gostosos naqueles dias que estamos com ressaca literária rs

    Beijos
    Sai da Minha Lente

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem? Eu sou doida para ler algum livro da Julia Quinn, mas ainda não consegui. Esse romance parece ser incrível, ainda que não seja tão bom quanto os outros. Adorei a resenha!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  4. Oi, Andressa. Tudo bem?
    Eu ainda não li nada da autora e morro de vontade de ler os livros dela, mas não pretendo começar por esse, embora queria ler algum dia. Adorei a sua sinceridade, acho que vou curtir a leitura também, mas já tenho uma ideia de que a leitura por não ser lá essas coisas.

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Eu vi muita gente falando sobre este livro não ter agradado tanto. Não sei se foi pelo mocinho também, mas ainda assim quero dar uma chance. Ainda mais por ser uma história divertida, que garante boas risadas!

    ResponderExcluir
  6. Oiii Andressa

    A tua opinião vai de acordo com várias que li sobre esse livro, não é o melhor que a Quinn já escreveu. A leitura é fluida porque a escrita da Quinn é maravilhosa, mas se nota que faltou aquela magia, aquele carisma, faltou algo pra que a trama realmente conquistasse, uma pena. Eu que não sou muito de históricos prefiro deixar essa série da autora passar, pois não sei se conseguiria me prender completamente.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  7. Olá,
    Eu sinceramente não curto tanto histórias de romance de reencontro, tem que ser tudo muito bom para eu gostar deste tipo de romance. Acho a capa bem legal do livro, e condizente com o título. Estou tentando ler mais romances de época quem sabe este não entra na lista, né?

    Debyh
    Eu Insisto

    ResponderExcluir
  8. Olá, já vi muitos comentários dizendo que o Robert não é mesmo um bom mocinho. Da autora só li a primeira série publicada no Brasil, mas gosto da escrita dela. Dizem que o segundo dessa duologia é bem melhor. Ótima resenha.

    ResponderExcluir
  9. Olaaaa

    Amo os livros da Julia, mas atualmente estou bem afastada dos romances de epoca pois nao consigo me apegar mais em uma historia por ter aquela sensação de ser sempre mais do mesmo.
    Adorei a sua resenha, principalmente a sua sinceridade... nao sao em todos os livros que nossos autores favoritos acertam

    Beijos

    ResponderExcluir