quarta-feira, 8 de agosto de 2018

[Resenha] Jogador nº 1

|
Autor: Ernest Cline
Páginas: 464
Editora: Leya
Jogador Nº 1, de Ernest Cline, o livro de ficção científica mais amado e cultuado dos últimos tempos, chega agora aos cinemas numa superprodução dirigida por Steven Spielberg e estrelada por Tye Sheridan e Simon Pegg! Não perca a chance de conhecer todos os detalhes dessa história fantástica.
O ano é 2044 e a Terra não é mais a mesma. Fome, guerras e desemprego empurraram a humanidade para um estado de apatia nunca antes visto. Wade Watts é mais um dos que escapa da desanimadora realidade passando horas e horas conectado ao OASIS – uma utopia virtual global que permite aos usuários ser o que quiserem; um lugar onde se pode viver e se apaixonar em qualquer um dos mundos inspirados nos filmes, videogames e cultura pop dos anos 1980. Mas a possibilidade de existir em outra realidade não é o único atrativo do OASIS: o falecido James Halliday, bilionário e criador do jogo, escondeu em algum lugar desse imenso playground uma série de Easter Eggs, e premiará com sua enorme fortuna – e poder – aquele que conseguir desvendá-los. E Wade acabou de encontrar o primeiro.


Jogador nº 1 é um livro que eu conheci há muitos anos, mas que sinceramente nunca tinha chamado a minha atenção. Quando eu soube do lançamento do filme fiquei muito empolgada para encarar a leitura. Então, resolvi deixar o filme para depois, e embarquei nessa jornada distópica e com muitas referências geek dos anos oitenta. E que bela nostalgia, apesar de ter nascido só em noventa, quando eu era criança muitos dos jogos, bandas, filmes e desenhos ainda eram bastante conhecidos na época. 

Eu adoro livros de ficção científica, mas a grande maioria são leituras um pouco difíceis e com um ritmo mais lento, nessa obra de Ernest Cline, no entanto, a narrativa é bastante fluída e fácil. Todos os elementos da trama conseguem prender a atenção do leitor em absolutamente todos os momentos. Você vai encontrar uma grande aventura, muitas referências excelentes (se você conhece e gosta da cultura geek dos anos 80), um romance leve e uma crítica ao uso excessivo da tecnologia.

Em 2044, após o meio ambiente se rebelar, e a humanidade viver em guerra, com fome e desempregos, o Oasis é o único local onde as pessoas podem ser quem elas quiserem. Nessa plataforma, a realidade virtual faz as pessoas passarem horas viajando entre mundos, assistindo filmes e conversando com outras pessoas. É algo além do que conhecemos como internet, pois com alguns apetrechos, o usuário realmente se sente dentro daquele mundo criado por James Halliday.

James teve a ideia do Oasis, e junto com outro sócio, criou o que seria a melhor forma de fugir da realidade. Ele é um homem extramente inteligente e rico, e após sua morte, surgiu a notícia de que ele teria deixado um testamento deixando sua fortuna e o controle do Oasis para o jogador que conseguisse desvendar seu Easter Egg dentro do jogo. Para isso, basta localizar três chaves para abrir três portões diferentes, e assim conseguir o ovo.


Wade é o protagonista, e fora do Oasis ele é um garoto órfão, que vive com uma tia que não se importa nem um pouco com ele. Wade mora em um parque de trailers, lotado de pessoas sem condições financeiras e que não pensariam duas vezes em roubar os itens que ele usa para entrar no Oasis. Após cinco anos do início da caçada nenhum jogador conseguiu encontrar a primeira chave. Em nenhum momento Wade desanimou de achar uma pista, pelo contrário, além de ir à escola dentro do Oasis, o garoto passou horas assistindo os filmes favoritos de James e jogando todos os games famosos da década de 80.

Em um estalo, Wade consegue descobrir onde está a primeira chave. Ele é o primeiro jogador no ranking. Porém, tudo fica mais perigoso agora: todos querem saber quem ele é, para saber como ele encontrou a chave ou então matá-lo dentro do jogo. Uma corporação, a IOI, está com diversos funcionários dentro do Oasis para conseguir colocar as mãos no ovo e assim tomar o controle do Oasis e do mundo. Eles trapaceiam e não se importam de eliminar os obstáculos de forma cruel.

Wade, que dentro do Oasis é conhecido como Perzival,  não faz parte de nenhum grupo de caça-ovos, mas possui um grande amigo, Aech, e também acaba se aproximando de uma das jogadoras mais famosas: Art3mis. A corrida para encontrar o ovo vai se mostrando acirrada, Wade não é o único que consegue descobrir as pistas, e vai perceber que trabalhar sozinho contra uma corporação toda é algo extremamente difícil.

Eu fiquei irritada por nenhum dos jogadores que ficaram entre os primeiros não quererem realmente se ajudar. Se eu estivesse na mesma situação, iria preferir dividir o prêmio do que deixar uma corporação que só queria tomar o controle da plataforma para ganhar dinheiro, deixando muitas pessoas que já não possuem condições de sustento, sem um local para fugir da realidade.

Ao mesmo tempo, é muito chocante perceber o tempo que essas pessoas passavam dentro do Oasis, e que não estamos muito longe disso: passamos horas e horas na internet, quase como se essa fosse nossa tábua de salvação também. 

Jogador nº 1 é uma obra excelente, o desenvolvimento todo consegue nos proporcionar uma leitura empolgante. Os personagens são cativantes, e até mesmo o romance - que eu sempre prefiro que não tenha nesse tipo de história - consegue ser um ponto positivo. O relacionamento de Perzival e Art3mis é algo leve e sem muito drama. Recomendo a leitura!

8 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Não costumo ler livros de ficção científica, mas tem uns que realmente me chamam a atenção. Já vi falarem deste, mas ainda não li. Adorei tua resenha e fiquei doida pra realizar a leitura dessa obra, que parece ser show!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  2. Essas editoras não acertam na capa do livro, né? hahaha
    Eu amei a história e li há alguns anos atrás, mas a primeira que lançaram é horrível... ai agora fizeram com a capa e tbm não ficou legal =P
    Mas o conteúdo é maravilhoso hahahah adoro e sempre recomendo <3

    Sai da Minha Lente

    ResponderExcluir
  3. Oi, Andressa! Já tinham me recomendado esse livro várias vezes, antes do boom que foi o lançamento do filme e o relançamento do livro, com nova capa. Faz tempo que estou devendo essa leitura, nem sei por quê, mas espero começar a leitura em breve.
    Bjs
    lucy - Por essas páginas

    ResponderExcluir
  4. Adorei essa capa do filme.
    Ainda não tive a oportunidade de conhecer o livro, nem o filme mas quero muito porque tem muita gente falando bem. Mas sei que ele divide opiniões.
    Gostei bastante da resenha e como você colocou sua opinião sobre a obra.
    Abraços, Mary
    http://leiturasdamary.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Oii, tudo bom?

    Eu amo livros de ficção científica, eu já vi falarem sobre essa obra, e fiquei muito curiosa. Adorei sua resenha e estou empolgada para começar a leitura.

    Beijinhos!!

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Eu não sou fã de leituras de ficção científica, mas confesso que o filme me chamou atenção. A produção cinematográfica ficou tão incrível que me deixou com vontade de conhecer mais a fundo a trama, apesar de ter achado algumas coisas previsíveis.
    Espero curtir!
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  7. Olá, tudo bem? Eu não tenho o costume de realizar a leitura de livros de ficção cientifica e, não assisti ao filme porque a história não chamou a minha atenção na época e nem agora, mas, gostei muito de ler a sua resenha e saber a sua opinião sobre a história.

    Beijos e Abraços Vivi
    Resenhas da Viviane

    ResponderExcluir
  8. Oi, tudo bem?
    Eu não tenho o hábito de ler ficção científica, porém, falam tão bem sobre esse livro que acabei ficando curiosa e ele já está na minha lista de desejados há algum tempo. Adorei sua resenha e fiquei mais animada para ler, especialmente pelo fato da escrita do autor ser tão fluida e envolvente.
    Adorei sua resenha e espero ler esse livro em breve.
    Beijos!

    ResponderExcluir