quarta-feira, 20 de junho de 2018

[Resenha] Dentes de dragão

|
Autor: Michael Crichton
Páginas: 304
Editora: Arqueiro
Em 1876, no inóspito cenário do Oeste americano, os famosos paleontólogos e arquirrivais Othniel Marsh e Edwin Cope saqueiam o território à caça de fósseis de dinossauros. Ao mesmo tempo, vigiam, enganam e sabotam um ao outro numa batalha que entrará para a história como a Guerra dos Ossos.
Para vencer uma aposta, o arrogante estudante de Yale William Johnson se junta à expedição de Marsh. A viagem corre bem, até que o paranoico paleontólogo se convence de que o jovem é um espião a serviço do inimigo e o abandona numa perigosa cidade.
William, então, é forçado a se unir ao grupo de Cope e eles logo deparam com uma descoberta de proporções históricas. Mas junto com ela vêm grandes perigos, e a recém-adquirida resiliência de William será testada na luta para proteger seu esconderijo de alguns dos mais ardilosos indivíduos do Oeste.


Imagine uma aventura no Velho Oeste americano: índios, pistoleiros, contrabandistas, escavações, muita poeira, longos caminhos e paisagens inóspitas; e no meio de tudo isso, rapazes universitários enviados pelos pais a um destino incerto para desenvolverem algum brio, numa jornada cheia de aventuras, dificuldades, desafios e mortes.

O protagonista dessa história, William Johnson, não sabia o que teria pela frente, mas por conta de uma aposta não deixaria seu nome na lama. Reuniu coragem, avisou aos pais, correu atrás da última vaga para um destino sem nome, e precisou aprender um ofício para ser útil nessa expedição. Depois dessa longa jornada, o jovem estudante de Yale, William Johnson, não será mais o mesmo.

Tendo como pano de fundo a era de ouro das caças aos fósseis de dinossauros em território americano quando o país estava em fase de desenvolvimento ferroviário em linhas transcontinentais, e toda a guerra entre índios e brancos são a base sólida e instigante que permeiam toda a narrativa ágil e eletrizante de Michael Crichton

A construção do enredo com personagens que existiram, deixa tudo ainda mais divertido e curioso, onde o autor demonstrou toda sua capacidade de pesquisa intercalada com uma imaginação fértil e consagrada pela carreia brilhante que teve. Graças a sua esposa (ou aquilo que se diz para vender livros) o manuscrito foi descoberto e remete à sugestão de um amigo curador do departamento de paleontologia do Museu Americano de História Natural, em uma carta de 1974, deixando tudo mais emocionante para os fãs e àqueles que nunca leram nada do autor (como eu) e que podem desfrutar da possibilidade de conhecer o precursor das histórias de dinossauros criadas por Crichton.

A enigmática introdução que deixa a impressão de algo real com passagens do diário de um jovem que em 1876 larga tudo nas férias para se aventurar em um lugar sem perspectiva de diversão, apenas trabalho e pesquisa, me pegou de surpresa e me jogou dentro de um velho filme de faroeste americano, mas sem a caça ao ouro, apenas a busca por fósseis numa luta de egos entre rivais da ciência, e o amadurecimento à força quando não se tem para onde correr, apenas enfrentar.

A narrativa é muito prazerosa, a torcida para que tudo dê certo é uma constante para o leitor uma vez que a ideia de que nada dará certo ao final transpassa toda a história, e isso deixa o enredo mais envolvente.

Valeu a pena esperar e ainda não ter lido Jurassic Park e O Mundo Perdido, pois agora com a ideia que ficou por tanto tempo guardada no escritório de Michael Crichton, vindo à tona – com direito às informações sobre os destinos das figuras reais e uma nota do autor sobre a criação do livro –, conquistará mais uma fã que terá como base para curtir o parque dos dinossauros, o prelúdio que ficou escondido na gaveta como um fóssil valioso nos rochedos do Velho Oeste.

13 comentários:

  1. Oi Dandra,
    Não sei nada sobre o velho oeste americano então não tenho nenhuma base de referência o que não é ruim, pois aqui está minha chance de adentrar este mundo através de uma história cheia de aventura. Nunca li nenhuma obra de Michael Crichton, mas já assisti a Jurassic Park várias vezes e amo a história. O autor é bem ousado ao unir fatos reais em uma história ficcional, mas acho que esse é seu diferencial. Esses eventos que ele cita na obra trazem mais curiosidade para o leitor (ao menos eu fico mais envolvida em um enredo desse tipo). William Johson protagonizará uma aventura e tanto e tudo por causa de aposta. Espero que ao final ele se mostre mais maduro e tenha tirado valiosas lições.

    ResponderExcluir
  2. Oiee Dandra ^^
    Eu nunca fui muito fã dessa coisa toda de fósseis - apesar de achar o trabalho geológico uma coisa muito daora - em séries e livros, tanto que nem quis ver Jurassic Park e não gosto de outras histórias parecidas. Mas, eu sempre tive uma quedinha pelo velho faroeste...haha' Andei lendo algumas coisinhas bem bacanas a respeito do livro, e acho que logo vou arriscar *-*
    MilkMilks ♥

    ResponderExcluir
  3. Oi.

    Vi esse livro, mas não me interessei muito por ele. Não faz muito meu estilo, e acabei deixando passar. Gosto de Jurassic Park, mas não tenho vontade de ler os livros. Não conheço muito sobre a narrativa do livro, mas como acabaria não gostando da leitura, vou deixar passar novamente a dica.

    ResponderExcluir
  4. Oi, tudo bem?
    Eu vi alguns comentários sobre esse livro recentemente e todos foram positivos. Porém, não parece ser o tipo de leitura que me atraia. Não gostei muito desse clima de Velho Oeste com índios, escavações, pistoleiros, etc. Além disso, nunca me interessei por paleontologia e detesto os filmes de Jurassic Park. Ou seja, acho que o livro foge muito do meu estilo.
    De qualquer forma, adorei sua resenha e fico feliz que tenha gostado da leitura. Para quem se interessa pelo tema, acho que deve ser uma ótima indicação.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Eu fico me questionando sobre como o destino é maravilhoso em suas pequenas artimanhas, que bom que sua esposa acabou encontrando essa obra, de verdade! Apesar de nao ser o meu genero favorito, reconheço que para quem curte, esse é um baita achado que rende uma excelente experiencia né? Adorei a sua resenha.

    ResponderExcluir
  6. Olá, amei a sua resenha. A capa do livro não me chamaria a atenção, mas conhecendo a história pelo seu post, já vi que adoraria ler, pois tem vários elementos que gosto muito, como amadurecimento do personagem, paleontologia e faroeste.

    petalasdeliberdade.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Sou ouço elogios para com este autor e morro de curiosidade pra conhecer as suas histórias, mas ao mesmo tempo nãos ei se são para mim. Achei sua resenha excelente, me deixou curiosa e como se eu estivesse perdendo algo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Olá,

    Eu nunca li nada sobre dinossauros, porém o que me chamou atenção não foi isso, e sim a parte arqueológica, acho interessante pesquisar sobre coisas que aconteceram no passado baseado em fósseis encontrados. Enfim, não estava muito animada para fazer essa leitura, mas quanto mais vou descobrindo sobre o livro, mais curiosa vou ficando.

    Beijos,
    oculoselivrosblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Olá
    Tenho vontade de ler esse livro pois não me lembro de ler nada parecido, a história parece bem bacana também, além disso eu adoro dinossauros. Vou adicioná -lo a minha lista.
    Beijuh

    ResponderExcluir
  10. Eu prefiro acreditar que a esposa realmente achou o manuscrito, prefiro acreditar que não iam usar o artifício pos-morten... acredito no ser humano. Ahhahahaha
    Sobre o livro, acho toda essa trama de velho oeste muito interessante. Quase solicitei o livro, mas como o gênero não me é muito habitual e eu estava em um período conturbado na faculdade preferi não assumir o risco de ficar empacada.
    Adoro quando os atores fazem uma visível pesquisa para compor seus livros. Espero ter a oportunidade de lê-lo em breve.

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  11. Olá!
    Apesar de ter feito parte da minha infância e adolescência, o mundo envolvendo dinossauros não me atrai pra leitura. Acho interessante alguns pontos mencionados nessa obra, principalmente sobre os estudos, mas acho que mesmo assim eu não me sentiria a vontade pra ler no momento.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  12. Olá, tudo bom?

    Confesso que já li Jurassic Park, mas ainda não me aventurei em O Mundo Perdido. Eu amo os filmes, principalmente o primeiro. Então, vendo a resenha dessa obra, fiquei ainda mais animada para ler outro trabalho do autor. Ele escreve muito bem, sabe conduzir histórias com dinossauros e, pelo jeito, mesmo que envolva somente os ossos destes, rs. Fiquei bem curiosa sobre a narrativa, já que é de uma época bem diferente. Estou bem animada para começar logo <3

    Enfim, adorei a postagem e agradeço a indicação :)
    Abraços.

    ResponderExcluir
  13. Olá, não li ainda nenhum livro com este tema de dinossauros, mas este me chamou bastante atenção. Afinal é um universo diferente de Jurassic Park, o que já deixa tudo com cara de novidade. O autor parece desenvolver bem a história. Dica anotada.

    ResponderExcluir