quarta-feira, 16 de maio de 2018

[Resenha] O Idiota

|
Autor: André Diniz
Páginas: 416
Editora: Quadrinhos na Cia.
Em preto e branco, e num registro quase sem palavras, André Diniz propõe uma recriação surpreendente de O idiota, obra máxima de Fiódor Dostoiévski. Publicado em 1869 e escrito em meio a crises epilépticas e perturbações nervosas e sob a pressão de severas dívidas de jogo, o romance é um dos mais célebres da literatura mundial. Sua oralidade intensa encontra na explosão e na fluidez, na ternura e na enorme capacidade expressiva do traço de Diniz, uma correspondência única.
A história é conhecida: após anos internado num sanatório suíço para tratar sua epilepsia, o jovem Míchkin retorna à Rússia e se vê envolvido num triângulo amoroso cujos ares folhetinescos darão o tom desta adaptação. Entre a vilania de Rogójin, um devasso perdulário que dilapida a fortuna herdada de seu pai, e a beleza arrebatadora de Nastácia Filíppovna, acompanharemos Míchkin e sua pureza quixotesca até o desenlace desta bela e trágica graphic novel. 


Dessa vez li uma HQ sem ter lido o livro que o inspirou. Não é o que eu recomendo, e já estou com a sensação de arrependimento por saber tudo o que acontecerá no livro, mas eu quis mergulhar nessa perspectiva, pois é uma adaptação de uma obra do Dostoiévski: o grande escritor da literatura russa e mundial, que está presente na minha estante em três livros. Preciso deixar a preguiça de lado (e o medo, confesso), e me jogar na verdadeira leitura da sua narrativa impecável e muito admirada, mas antes disso, fui atrás da visão do roteirista e desenhista André Diniz que admiravelmente conseguiu transmitir todas as situações do jovem príncipe Míchkin, de forma dolorosa, impecável, sem muitos diálogos e com desenhos que transmitem toda a emoção, transtorno e situações da vida de um jovem ao iniciar sua vida após anos internado, mas sem muita estrutura emocional, e enredado em um triângulo amoroso, precisa lidar com o amadurecimento nas decisões mais difíceis de sua vida.

É incrível: com pouquíssimos diálogos o desenhista consegue transmitir o enredo muito bem, e te faz viver as circunstâncias da personagem mesmo você duvidando (meu caso) que ele seria capaz de fazer isso. Sem você se dar conta, os desenhos acabam te dominando e te prendendo, e ao chegar ao final, percebe que a rapidez no virar das páginas (416!) não prejudica o entendimento do enredo (a obra original tem mais de 600 páginas), mas apenas te fisga a correr atrás para conhecer as descrições e a narração original de Dostoiévski, que completará a sua percepção das passagens e expressões sem diálogos do quadrinho. O sentimento humano quando bem retratado em qualquer obra - até em rabiscos em preto e branco de personagens confusos e tristes - cativa o leitor, e se você capta a profundidade do texto através das expressões e rabiscos nesses desenhos, mesmo não sendo uma completa linguagem literária, ao menos te dá uma noção do que esperar do livro clássico. 
Essa história foi publicada em quadrinhos primeiramente em Portugal, e agora chega ao Brasil; e não, o autor não é português, ele é brasileiro, mas precisamente um carioca. É estranha essa inversão de caminho na publicação, mas o motivo é que o desenhista vive em Portugal desde 2016, e a sua ousadia em adaptar uma obra desse gabarito, mostra que ele é um grande fã do autor que identificou na obra O Idiota um "protagonista ingênuo e luminoso" - segundo suas palavras - o oposto de outros protagonistas da obra de Dostoiévski.

Quando um trabalho nesse estilo é bem feito, vira mais uma oportunidade para a conquista de novos leitores, divulgação dessa forma de arte visual, e o despertar da curiosidade para a leitura - sem medo - dos grandes autores russos.

13 comentários:

  1. Tudo bem? Não conhecia esse HQ. Adoro HQ's, tenho alguns na estante que amo. Engraçado que muitos ainda tem preconceito achando se tratar sempre de histórias bobas de heróis e afins.. Mas já li alguns HQ's com reflexões incríveis!

    Adoro: Dostoiévski e não sabia que tinha essa adaptação.
    Beijos.

    www.alempaginas.com

    ResponderExcluir
  2. Oiii Dandra

    Realmente foi ousado e arrsicado adaptar a obra, admiro a coragem do autor porque a gente sempre espera receber criticas quando decide adaptar grandes clássicos. Não conhecia esse HQ, achei bem legal, eu leria sem o menor problema já que não faço questão de ter lido o livro original antes (não é exatamente um livro que tenha nas minhas prioridades).
    A resenha ficou ótima.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  3. Ainda não tive a oportunidade de ler nenhuma obra desta perspectiva. Saber que mesmo com poucos diálogos a mensagem é transmitida e ainda te fisga e cativa. Uma boa introdução de um clássico complexo. Não conhecia o autor que inverteu sua publicação, mas vou anotar o nome, espero conferir de perto essa graphic novel.

    Abraços.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Confesso que não conhecia nada, nem a obra inspiradora, nem esse. Mas parece ser bem interessante, apesar de não ser muito o meu estilo de leitura. Não me ligo muito em HQs, mas acho bem legal!

    Abraços

    ResponderExcluir
  5. Eu já tinha visto esse livro rolando pelo IG, mas não conhecia nada sobre ele. Adorei a sua resenha, eu gosto bastante de quadrinhos e fiquei bem curiosa com esse. Achei legal saber que o autor é carioca e que publicou a obra primeiramente em Portugal.

    ResponderExcluir
  6. Olá, eu recebi este livro esta semana e me assustei quando abri e vi tão poucos "balõezinhos", tão comuns nas HQs, após pesquisar, vi que é baseado em uma grande obra da literatura, portanto, vou pesquisar um pouco sobre ela e ler algumas resenhas para me ambientar.
    Gostei da tua opinião.
    Bjos
    Vivi
    https://duaslivreiras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Olá, tudo bem? Realmente também não curto ler uma obra baseada em outro, sem ler a principal hehehe ainda mais em HQ que acaba nos enraizando uma realidade que acaba transmitindo para a leitura do livro. Conheço o autor por nome, claro, mas nunca tive coragem de ler alguma obra dela. Espero mudar em breve, afinal vi essa HQ e fiquei bem interessada. Adorei a sua resenha!
    Beijos,
    http://diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Oi tudo bem? Não conhecia o autor e nem essa HQ, por ele ser brasileiro aguçou minha curiosidade, vou procurar saber mais sobre o autor, parabéns pela Resenha.

    ResponderExcluir
  9. Eu li esse clássico anos atrás e por isso fiquei bem animada com esse lançamento.
    Ainda não li, mas só de ver os traços, sinto que vou gostar. Ainda mais por ter sido escrito por um brasileiro, minha curiosidade só aumentou <3

    Sai da Minha Lente

    ResponderExcluir
  10. Olá, como vai?
    Eu não costumo ler HQs na verdade li pouquíssimas em toda minha vida, na infância não tive acesso a elas e depois de jovem perdi o interesse mas, uma HQ composta pela obra do "Dostô" com certeza eu vou querer ler! Faz um tempinho que estou apaixonada pela escrita dele, preciso comprar mais alguns para minha coleção.

    Beijos e Abraços Vivi
    Resenhas da Viviane

    ResponderExcluir
  11. Olá, faz tempo que não leio HQs, essa com toda certeza já vai pra minha lista de desejados depois de conferir sua resenha. Quero ler algo do autor clássico que originou a HQ, e achei a premissa da história bem interessante.

    ResponderExcluir
  12. Eu conheço o livro, mas apesar dos elogios que já li sobre ele, ainda não bateu aquela vontade real de ler.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  13. Olá, tudo bem?

    Eu também recebi essa hq da CIA e fiquei felizão, gosto muito de literatura russa e foi uma agradável surpresa receber essa obra. Gostei da sua resenha, parabéns!
    Abraço!

    ResponderExcluir