sexta-feira, 4 de maio de 2018

[Resenha] Números de azar

|
Autora: Anne Holt
Páginas: 216
Editora: Fundamento
Série: Hanne Wilhelmsen, 2
Três crimes. Três códigos. Muito sangue. Nenhum corpo. Quando o calor aumenta… a violência.
Em meio ao verão de Oslo, a detetive Hanne Wilhelmsen é enviada para a cena macabra de um possível assassinato. Em um galpão abandonado, há marcas de sangue por toda parte e, na parede, uma intrigante sequência de oito dígitos escrita com o líquido vermelho. Mas não há sinais da vítima. As pistas são escassas. Nos dois sábados seguintes, o horror se repete. Outros locais, números diferentes. Seria uma brincadeira de mau gosto ou a assinatura de um serial killer? E a questão mais importante: onde estariam os corpos?
Contando com sua habitual sagacidade, a obstinada Hanne corre contra o tempo. Ela só tem cinco dias até o próximo sábado... Mas o que fazer quando a linha que separa o certo do errado começa a se fundir e o sangue derramado pode manchar não só as mãos de inocentes como também a reputação do departamento de polícia onde ela atua?

Números de azar é o segundo livro da série Hanne Wilhelmsen, da autora norueguesa Anne Holt. Eu já tinha lido outros dois livros da autora, o terceiro e oitavo dessa mesma série, e comecei a gostar bastante de sua escrita. Eu adoro romance policial, e os livros da Anne me chamam a atenção por não serem muito complexos, mas ainda assim ter aquela pegada de mistério que consegue envolver o leitor. A personagem principal, Hanne, é uma mulher que conseguimos simpatizar imediatamente, afinal, ela mostra toda sua competência dentro de um departamento de polícia onde a grande maioria é homem. E ela é muito respeitada.

Nesse livro um crime aconteceu, mas não há corpos. Hanne é enviada para um galpão abandonado, onde há sangue por toda parte. E, na parede, escrito com sangue há uma sequência de números. Esse tipo de cena se repete nos próximos dois sábados, em outros locais. E, as pistas são quase que nulas, afinal, não há corpo. A polícia consegue identificar, no entanto, que parte do sangue é humano. Mas a grande questão é... o que aqueles números significam? Que mensagem o possível serial killer está tentando passar?

Nesse meio tempo, surge na mesa de Hanne outro caso: uma mulher foi estuprada em seu apartamento, brutalmente. Kristine tem 24 anos, e está em estado de choque. Ela não consegue lembrar do rosto do agressor, e o retrato que faz não ajuda em nada a polícia. Hanne percebe que esse é só mais um caso de estupro que fica sem solução. Porém, por ser mulher, ela está obstinada em resolvê-lo. Kristine sente uma vergonha profunda pelo que passou, e principalmente sente que decepcionou seu pai. Ele não se conforma com o que aconteceu com sua filha, e pretende ir mais a fundo na investigação, pois parece que a polícia não está preocupada com o caso.


Os dois casos parecem ter alguma conexão, mas as pistas de ambos são escassas. Hanne está sobrecarregada no trabalho, e em casa sofre a pressão de sua namorada. Hanne é lésbica, mas nunca pensou em contar a ninguém, principalmente para o pessoal da polícia. O relacionamento das duas é totalmente escondido, e Hanne não consegue criar coragem para sair dessa situação.

Números de azar é um livro bom, tem um suspense tranquilo, porém, não foi o melhor que eu li até agora da série. Eu achei o ritmo um pouco fraco, e o desenvolvimento muito rápido e fácil. Parece que faltou algo, eu não sei explicar exatamente o quê. A cena de estupro foi forte e impactante, e eu gostei que a autora mostrou um pouco o lado da vítima, como ela lidou com isso e como afetou seu psicológico. O final foi um pouco esperado por mim, mas ainda assim impactante. 

Essa série pode ser lida fora de ordem, já que cada livro é um caso, mas eu não aconselho a fazer isso. Eu li fora de ordem e percebi que perdi a evolução da personagem tanto como pessoa, quanto sua posição dentro da polícia e amizades. Eu acho que fica muito mais interessante conhecer os personagens desde o início. 

A leitura de Números de azar é fluída e fácil de se envolver. Um pouco da cultura norueguesa fica aparente na escrita da autora: o desenvolvimento dos personagens e suas ações, como funcionam as leis, e tal. Podemos perceber que os personagens são um pouco frios e distantes, e é difícil não comparar com outros livros do gênero. Não é nada que deixe a leitura desagradável, na verdade é bastante interessante. Recomendo a série!

10 comentários:

  1. Caramba, me parece uma leitura forte, principalmente pela cena do estupro, nao sei se eu teria estômago para tal. Não conhecia a série e já me interessei, apesar de segundo você esse não ser o melhor volume da série, por hora é o que mais me chamou a atenção.

    ResponderExcluir
  2. Oi Andressa, policial, mistério e suspense, são meus gêneros favoritos. Fiquei muito curiosa para saber o desfecho do sangue e dos números. Eu já tinha ouvido falar da autora e agora sei que quero muito ler os livros dela.
    Dica anotada.
    Bjos
    Vivi
    http://duaslivreiras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Sou super curiosa para ler os livros dessa autora. Mas sempre bate aquela dúvida. Tem gente que diz que é excelente.. Outros já disseram ser uma imensa perda de tempo.
    Isso desperta minha curiosidade. Costumo ser do contra.. Porém por conta do alto fluxo de leituras e listas, acaba que não consegui incluir nas minhas próximas leituras..

    Beijos.

    www.alempaginas.com

    ResponderExcluir
  4. Oiieee

    Não conhecia essa série da Anne Holt, parece ser interessante embora confesos que já estou ficando um pouco saturada do gênero (tenho lido bastante livros assim ultimamente). Apesar de não ter sido o melhor até aqui, parece ser um livro bom, que pelo menos trouxe um final impactante, apesar de pra ti ter sido um pouco previsivel. Espero que o próximo da autora te surpreenda mais.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  5. Não conheço a série e ainda não li nada da Anne, mas romance policial é sempre uma boa pedida e como não li nada dela eu não tenho um parâmetro para achar o livro mais fraco e mesmo com esse desenvolvimento rápido demais é uma leitura que eu adoraria fazer. Dica anotada.

    Abraços.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Olá, eu gosto muito de suspenses do tipo e estou bem curiosa para ler os livros da autora. Pena que esse não foi o melhor da série, mas seguirei sua dica de ler em ordem para poder ver a evolução da personagem.

    ResponderExcluir
  7. Números de Azar foi o primeiro livro da autora que eu li e me apaixonei pela escrita dela, eu adorei o livro! Depois li Demônio ou Anjo e também gostei muito, mas Números de Azar ainda gostei mais. Comecei a ler A Deusa Cega, por ser o primeiro da série eu já estou acostumada com os personagens e o suspense em relação às suas vidas não me intriga, mas os mistérios envolvidos na trama são excelentes e estou curiosa para ver a relação entre eles e saber o desfecho dessa obra.

    ResponderExcluir
  8. Oi, Andressa! Se não me engano, li resenhas de outros livros da autora e, pelo visto, ela capricha nos crimes. Eu gosto quando se tem uma série que é possível ler fora de ordem, mas se existe uma evolução da escrita da autora, ou da personagem, eu prefiro ler na ordem também. Gostei da sua dica de leitura, livros policiais são um dos meus preferidos.
    Bjos
    Lucy - Por essas páginas

    ResponderExcluir
  9. Olá Andressa, apesar de você comentar que não é um dos melhores livros da série fiquei curiosa pelo enredo *-* Vou deixar anotado e quando surgi um tempinho vou tentar começar a ler essa série e ir na ordem para não perder essa evolução da protagonista que você comentou.

    ResponderExcluir
  10. Olá, tudo bem Andressa?

    Eu gosto da literatura nórdica e confesso que não conhecia esse livro, parece que a Anne nos traz um grande livro, vou anotar a sua dica e torcer para que eu possa ler esse livro o quanto antes!
    Abraço!

    ResponderExcluir