domingo, 7 de janeiro de 2018

[Resenha] Tudo junto e misturado

|
Autora: Ann Brashares
Páginas: 336
Editora: Seguinte
Sasha e Ray sempre passam o verão na velha casa de férias da família. Desde pequenos, os dois dividiram muitas coisas — leram os mesmos livros, correram pela mesma praia, comeram pêssegos colhidos na mesma fazenda, tomaram café da manhã sentados à mesma mesa. Até dormiram na mesma cama, mas nunca ao mesmo tempo. Afinal, eles jamais se encontraram. O pai de Sasha um dia foi casado com a mãe de Ray, e juntos tiveram três filhas: Emma, Quinn e Mattie. Mas o casamento acabou, deixando para trás apenas rancor e ressentimentos. Os dois casaram de novo e formaram novas famílias, mas nenhuma delas pretende desistir da casa de praia, muito menos compartilhá-la. Até este verão. As vidas de Sasha e Ray estão prestes a se cruzar — e, com tudo junto e misturado, as famílias vão mudar para sempre.


Tudo junto e misturado era um livro que eu estava esperando ansiosamente que chegasse na minha caixa postal. Eu li a série A irmandade das calças viajantes, também da Ann Brashares, e eu gostei muito da trama e da escrita da autora. Por isso, eu estava muito animada por esse lançamento. Eu estava esperando uma história leve e divertida, e realmente a sinopse nos dá essa impressão de ser descontraída, apesar de o relacionamento familiar ser confuso, porém, após finalizar a leitura, percebi que a obra em si é muito mais que isso. A autora nos surpreende com um drama, daqueles que te destrói aos poucos, e que você nem percebe chegar.

Lila e Robert eram casados e tiveram três filhas: Emma, Quinn e Mattie. Emma é a mais centrada e decidida. Quinn é aquela que ilumina a vida das pessoas por onde passa, ninguém consegue lhe negar nada. E Mattie é a mais diferente das irmãs, tanto na personalidade quanto fisicamente, ela ainda não sabe quem realmente é. Lila e Robert se separaram, cada um casou com outra pessoa. Desses novos relacionamentos, Lila e Adam tiveram Ray, e  Robert e Evie tiveram Sasha. Os dois possuem a mesma idade, porém, nunca se conheceram, pois Robert e Lila não conseguem ficar próximos um do outro.

O ódio entre Lila e Robert é tão intenso, que não conseguimos sentir empatia pelos dois. Independente do motivo que os fizeram se separar, é muito egoísmo manter um relacionamento baseado no ódio, sem se preocupar com os filhos. É por isso que Ray e Sasha nunca tiveram alguma espécie de contato. Eles dividem um quarto - e também três irmãs -, quando cada família fica por algumas semanas na casa de verão, e é assim que eles acabam sabendo um pouco sobre o outro. E assim que surge a curiosidade de se conhecerem.

A narrativa de Ann Brashares é muito envolvente. Ela consegue pegar uma família totalmente confusa e criar um enredo emocionante e divertido. E de bônus ainda te surpreende perto do final, o que eu totalmente gosto em uma leitura, mesmo que tenha me quebrado. A situação familiar já é algo que me fez ficar chateada, afinal, para que tanto ódio? Ainda a autora vem e joga uma bomba, daquelas que te atinge também, e faz seu coração em caquinhos.


A mensagem do livro é muito valiosa. Mostra o quanto perdoar é importante, o quanto pode mudar vidas. A obra retrata sobre família de uma forma nem um pouco leve, mas nem por isso muito envolvente. Inicialmente eu pensei que seria um romance entre dois jovens, que mesmo não sendo parentes, teriam uma bagagem enorme nas costas por conta de suas famílias, mas a leitura foi além disso. E eu gostei muito.

Tudo junto e misturado é narrado em terceira pessoa, e dessa forma, conseguimos acompanhar todos os personagens dentro da trama. No início isso me confundiu um pouco, mas depois consegui ficar mais íntima de cada um, e consegui acompanhar seus dramas particulares e como aquele relacionamento familiar totalmente desestruturado afetou cada um deles. 

Fui surpreendida por essa leitura, e não consegui largar o livro até finalizar. A história é linda, tocante e muito emocionante. Me encantei por Ray, Sasha, Emma, Quinn e Mattie. Recomendo muito a obra.

8 comentários:

  1. Andressa!
    Pelo jeito o título tem tudo haver com o enredo, cheio de dualidades e sentimentos contraditórios, uma protagosnista como contra ponto para o caos familiar que vivem, enfim, acredito que seja uma leitura de fácil identificação, talvez por isso os leitores se comovam profundamente.
    E concordo quando diz que não devemos cultivar o ódio, a vida já é tão complicada, para que ficar alimentando sentimentos ruins, principalmente na família?!...
    Desejo Um domingo fabuloso e Novo Ano repleto de realizações!!
    “Chega de velhas desculpas e velhas atitudes! Que o ano novo traga vida nova, como o rio que sai lavando e levando tudo por onde passa.” (Desconhecido)
    cheirinhos
    Rudy
    1º TOP COMENTARISTA do ano 3 livros + Kit de papelaria, 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  2. Fico feliz que tenha surpreendido positivamente.
    Li uma resenha sobre, e a opinião foi tão negativa que me deixou em dúvida quanto a ler ou não. E eu não conheço a escrita da Ann, então não quis arriscar.
    Mas é uma história que conquista pela originalidade, e até por ser meio surreal. Fico curiosa pra saber como vai sendo criada a relação entre Sasha e Ray. Interessante que tenha emocionado, e parece ter algumas reflexões.
    Vou colocar na minha lista ♾ novamente.
    E essa capa é muito encantadora.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi, Andressa. Realmente, a autora não quis focar no romance, mas sim, na relação familiar e em seus dramas. Afinal, de qualquer forma, algo os une, do mesmo modo que algo os separa, movido pela relação nada amistosa do Robert e da Lila... E que ao mesmo tempo, nos traz uma grande reflexão!

    ResponderExcluir
  4. Oi Andressa!
    Já li algumas resenhas desse livro, e ele entrou para minha lista de desejados. Eu também que vi pela primeira vez o livro e li a sinopse esperei uma leitura para passar o tempo, não imaginava a carga de drama que ele continha e isso me surpreendeu. Fiquei bem curiosa para saber o que fez Lila e Robert se odiarem tanto a ponto dos dois irmãos não se conhecerem, e como foram parar na casa de verão juntos já que não suportam ficar perto um do outro! Fora isso, a mensagem que a história traz sobre família é mto boa, pretendo ler!
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Oi Andressa!

    Primeiramente...que capa linda!! Tem tanto significado! Adoro essas capas que descrevem bem o livro!
    Nunca ouvi falar nesse livro antes....que pena! Não tem como não se envolver!
    Uma história diferente, com temas complexos e, ao mesmo tempo, simples. Fiquei super curiosa para saber o porque Lila e Robert se odeiam tanto e se Sasha e Ray se apaixonaram um pelo outro.
    Tudo junto e misturado entrou na minha lista de leitura sem dúvida alguma!
    Parabéns pela resenha!

    Um beijo
    Laís T.

    ResponderExcluir
  6. Já li várias a resenhas a respeito desta obra, e as opiniões estão bem dividas, na verdade a sua resenha foi a primeira com comentários positivos, mas todas citam que o começo e bem confuso, mas que no decorrer da estória quando vamos nos apegando, e nos familiarizando com os personagens a leitura se torna cativante. Fiquei feliz em saber que esta e uma obra que vai além do romance entre dois adolescentes, e que vem tratar de outros assuntos dentro âmbito familiar como por exemplo perdão. De uma forma geral gostei da premissa do livro por isto pretendo sim dar uma chance.

    Venha participar do sorteio de um kit da caixinha da TAG Livros http://petalasdeliberdade.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Olá!
    Que livro fofo!
    Eu já li várias resenhas e sempre fala que é ótimo, ele me deixa uma curiosa muito boa sobre a trama.

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
  8. A capa não chamou muito a atenção assim como a trama, essa coisa de familia confusa nao chamou a minha atenção infelizmente.
    Adorei a sua resenha, e tenho certeza que muitos irao gostar.

    ResponderExcluir