sábado, 12 de agosto de 2017

[Resenha] Um menino em um milhão

|
Autora: Monica Wood
Páginas: 352
Editora: Arqueiro
Quinn Porter é um guitarrista de meia-idade que nunca conseguiu deslanchar na carreira. Enquanto aguardava sua grande chance na música, foi um marido e pai ausente, e jamais conseguiu estabelecer um vínculo afetivo com o filho, uma criança obcecada pelo Livro dos Recordes e algumas peculiares coleções.
Quando o menino morre inesperadamente, alguém precisa substituí-lo em sua tarefa de escoteiro: as visitas semanais à astuta Ona Vitkus, uma centenária imigrante lituana.
Quinn assume então o compromisso do filho durante os sete sábados seguintes e tenta ajudar Ona a obter o recorde de Motorista Habilitada Mais Velha. Através do convívio com a idosa, ele descobre aos poucos o filho que nunca conheceu, um menino generoso, sempre disposto a escutar e transformar a vida da sua inusitada amiga. Juntos, os dois encontrarão na amizade uma nova razão para viver.
Um menino em um milhão é um livro sensível, poético e bem-humorado, formado por corações partidos e aparentemente sem cura, mas unidos por um elo de impressionante devoção pessoal.

Um menino doce, gentil, educado e muito atencioso, com um jeito peculiar de lidar com as pessoas, será o elo que ligará seus pais e a senhora de 104 anos, que imigrou para os Estados Unidos aos 4 anos, junto com sua família no ano de 1904, fugindo das perseguições na Lituânia, país que por muito tempo esteve sob domínio do Império Russo e que no final do século XIX começava a se reerguer como nação política e culturalmente. Justamente no ano que Ona e seus pais fugiram para os Estados Unidos, os lituanos tentavam restabelecer suas publicações em livros e instituições educacionais, que praticamente quase foram totalmente restringidas por conta da ocupação russa. Fugir para não perder a vida, além da identidade, foi o que aconteceu com muitas pessoas no país naquela época.

Através da vida singular de um menino muito especial, as relações de cumplicidade, amizade, companheirismo e amor, terão um novo significado na vida das pessoas que o menino de 11 anos conhecia. Ele era integrante da liga dos escoteiros. Seus pais eram separados. Sua mãe bibliotecária e seu pai um guitarrista que vivia de pequenos shows e trabalhos esporádicos. 

Nosso jovem herói é um garoto fechado, muito solitário e sem nenhum amigo. Possui um jeito próprio de lidar com suas frustrações: como colecionar coisas em um estilo de organização bastante sistemático e é muito fissurado nos recordes que fazem parte do Guinness. Ele sabe de cor todos os grandes recordes e está sempre de olho para saber o que será superado em breve. Através dessa sua mania, o menino conquistará o coração da senhora Ona Vitkus, moradora que vive sendo azucrinada pela corretora para ir morar em uma casa de repouso super moderna. 


O menino será durante algumas semanas o responsável em ajudar Ona com afazeres diários da sua casa, como alimentar os passarinhos; consertar a calha; limpar o quintal; e assim, aos poucos, o pequeno grande garoto, conhecerá as histórias dessa fabulosa senhora, que só quer viver o restante do seu tempo, sem pessoas pegando no seu pé; mas a vida traz algumas surpresas, e prega peças e transforma nossas perspectivas em um passe de mágica; e é justamente com a influência de uma criança tão sonhadora, corajosa, amável e curiosa, que a vida da solitária senhora - que até então nunca havia contado suas histórias a quase ninguém - terá um novo sentido.

A morte da criança é o marco que definirá a mudança repentina na vida de Quinn - o pai ausente que nunca foi uma representação forte para um garoto tão especial. E a mãe Belle, tão abalada com a situação, também receberá um alento, ao ver o pai do seu menino se transformar em alguém sem medo de se comprometer e criar laços com as pessoas.

O livro acompanha tanto o ponto de vista do pai, quanto da senhora Ona, justamente as duas vidas que serão transformadas pela triste e impactante morte de um menino.

A vida de todas as pessoas mais próximas também passará por algumas mudanças, mas nada se compara a um pai que nunca se viu próximo ou capaz de se conectar com uma criança que vivia em seu mundo particular, enumerando coisas, fatos e recordes; e será através da presença póstuma do menino, na vida e na casa de uma senhora de 104 anos - que quer viver mais alguns anos só para bater recordes - que o pai aprenderá a amar e entender o significado da vida.

Livro doce, tocante e singelo. Que mostra a importância e a força que nossas vidas têm na vida das outras pessoas.

15 comentários:

  1. Esse livro parece ser muito lindo, realmente não temos consciência do quanto uma pessoa é tão importante em nossas vidas até o dia em que ela partir, deve ser difícil principalmente para um pai e uma mãe verem seu filho, que tinha toda uma vida pela frente, não estar mais aqui para poder viver essa vida, achei a história bem tocante e quero muito ler para poder entender mais sobre a relação pai e filho e a relação entre o menino e a Ona.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Olá.
    Sua resenha está muito bonita e bem escrita.
    O livro tem um enredo muito emocionante e tocante, e creio oferece uma profunda reflexão sobre a vida, amizade e amor. Espero ter a oportunidade de ler.
    Obrigada pela dica.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Esse está na minha lista. Adorei a premissa dele. Essa conexão de personagens de diferentes idades é muito bacana. A aproximação da senhora com o menino, e consequentemente do pai desse menino, e também do pai com a morte do filho é muito bacana. Espero acompanhar essa conexão dos personagens!

    ResponderExcluir
  4. A sinopse desperta na gente a sensação de aproveitar os momentos ao lado de quem amamos ne? Fiquei curiosa pra saber como o pai age ao descobrir tantas ciosas lindas sobre o filho.
    Fiquei encantada com a idade dessa senhora, hahah. Ela deve ser conhecedora de muitas coisas e deve ser interessante acompanhar como uma senhora assim pensa e age na história. Incrível como a autora junta idades com histórias tão diferentes e transforma a vida de tais personagens :)

    ResponderExcluir
  5. Eu já li diversos comentários positivos referentes a este livro, que bom que é um livro com uma história doce e tocante, e que mostra a importância que nossa vida tem na vida de outra pessoa, como citado por você em sua resenha. Sem dúvidas pretendo ler este livro, espero gostar da história.

    ResponderExcluir
  6. Esse parece ser bem doce e reflexivo!
    Amo histórias de superações e entendimentos entre família, depois de um trágico acidente.
    Já li várias resenhas positivas desse livro e a sinopse deixa o leitor bastante curiosos para saber como o pai e a velha senhora vão vencer os obstáculos da vida.

    ResponderExcluir
  7. Adorei a resenha, e estou apaixonada nessa premissa.
    Deeve ser realmente bem doce e com muito reflexão sobre como as pessoas podem mudar nossas vidas.
    Eu nem li ainda, mas já sei que vou chorar bastante haha

    beijinhos

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    Este livro está na minha lista de leitura. Já tinha lido varias resenhas dele é sempre são positivas, gostei tanto da trama que me faz querer ler ele o mais rápido possível. Nele vemos a amizade entre uma pessoa idosa e o menino, a relação do pai que muda quando o menino morre e isso é incrível. Quero muito ler ele.

    ResponderExcluir
  9. Tem algum tempo que este livro está na minha lista de desejados, mas ainda não tive oportunidade de adquiri-lo. Acredito que a morte deste garoto irá abalar a vida de quem o ama, mas principalmente destes dois personagens, o pai ausente, e a sua amiga, no qual ele ajudava, e é a partir disto que esta trama irá se desenvolver. Acompanhar todos este acontecimentos, deve trazer ao leitor várias reflexos, com uma estória envolvente e cativante.

    Participe do TOP COMENTARISTA de AGOSTO, para participar e concorrer Ao livro "Dois Mundos", o primeiro da série "Tesouros da Tribo de Dana" da escritora Simone O. Marques, publicado numa edição linda pela Butterfly Editora.
    http://petalasdeliberdade.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Oi Dandra.
    Essa é a segunda resenha positiva sobre esse livro que eu li.
    Fiquei com bastante vontade de ler esse livro. Gosto de livros que mostra a superação dos personagens diante de uma mudança brusca nas suas vidas.
    O filho de Quinn parece ser muito doce, ao ajudar Ona.
    Espero ler esse livro em breve.
    Bjs

    ResponderExcluir
  11. Oi Dandra,
    É uma história bem diferente e o menino é um elo entre os protagonistas. Já li alguns livros que fala sobre o luto, mas cada um tem sua peculiaridade, afinal de contas perder alguém próximo gera uma dor única e particular em cada indivíduo. A premissa deste livro foi uma grande surpresa e fiquei com muita vontade de ler.

    ResponderExcluir
  12. DAndra!
    Livros do tipo sempre me atraem porque gosto de fazer esses questionamentos constantemente: em que poderia melhorar o convívio e o afeto junto às pessoas que convivo e amo?
    Deve ser realmente uma verdadeira lição de vida, principalmente vindo de uma criança de apenas 7 anos.
    Quero ler com urgência.
    Bom final de semana!
    "...Aceite com sabedoria o fato de que o caminho está cheio de contradições. Há momentos de alegria e desespero, confiança e falta de fé, mas vale a pena seguir adiante..."(Paulo Coelho)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE AGOSTO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir
  13. Olá, quando eu li a sinopse imaginei que a trama séria aqueles dramas de luto, em tentativa de superar a dor, e apesar da mãe se sentir assim, vejo que é mais do que isso, é um trama de como as pessoas que estavam em volta daquele garoto lidaram com toda a situação. Adoro livros que a gente pensa que é alguma coisa e no fim é totalmente diferente. Esse com certeza entrou pra minha lista de desejados!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  14. É um livro muito sentimental, o que gostei de saber é que a mãe é uma bibliotecària, igual a mim, amei. Mas a història achei muito dramàtica, o que não curto muito.

    ResponderExcluir
  15. Ao ler essa resenha foi impossível não lembrar do filme Up - Altas Aventuras, pelo fato do menino ser escoteiro e tudo mais. Parece ser uma leitura boa, fluida e doce... porém não é o tipo de livro que eu gostaria pra agora. Mas foi uma ótima dica!
    Beijos

    ResponderExcluir