terça-feira, 11 de abril de 2017

[Resenha] A ilha dos mortos

|
Autor: Rodrigo de Oliveira
Páginas: 336
Editora: Faro Editorial
Série: As crônicas dos mortos, 4
Passaram-se vários anos desde que a maior colônia de sobreviventes do Apocalipse zumbi se transferiu para Ilhabela. Separada do continente por uma faixa de 1km de mar atlântico, a ilha surge como um ambiente seguro para as novas gerações, e distante das ameaças da Senhora dos Mortos e sua horda de zumbis.
Desde então, muitas coisas mudaram. Personagens importantes morreram e novos combatentes foram treinados para erguer a comunidade e recriar o sistema de administração e leis. Parecia que o mundo estava retomando o seu curso de paz.
Os habitantes de Ilhabela tinham agora formas mais seguras de lidar com os zumbis, então descobrem que alguns zumbis também mudaram. A forma de contaminação se torna mais rápida. Eles estão mais selvagens, ágeis e violentos. Deixe-nos apresentar uma evolução dentre os próprios mortos vivos...
E este não é o único novo problema. Com a reorganização da sociedade, o poder retoma o seu valor, e isto também, atrai ainda mais perigos.
Há uma grande espera pelo reencontro das irmãs, Isabel e Jezebel.
Este livro traz o surgimento de uma nova era, cruel e implacável, onde a perseverança dos sobreviventes e seus líderes será testada de forma muito diferente. Um livro cheio de reviravoltas, de movimentos bruscos, de cenas impensáveis.

1. O vale dos mortos 
2. A batalha dos mortos
3. A senhora dos mortos


A ilha dos mortos é o quarto volume da série As crônicas dos mortos, do autor Rodrigo de Oliveira. Eu simplesmente adoro muito essa série. Gosto bastante de tudo que envolva zumbis, mas o Rodrigo nos apresenta uma trama que vai além, que mostra que o ser humano muitas vezes é o próprio monstro, ainda mais em situações de extremo perigo, como no caso, o apocalipse zumbi. Eu fiquei muito surpresa com este volume. Eu havia ficado longe da sinopse, como é uma série que eu já havia lido três livros, e gostado, claro que iria querer ler A ilha dos mortos, então quando eu percebi que a narrativa pula uns bons anos na frente, fiquei extremamente chocada. O mais impactante ainda foram os rumos que o autor deu a personagens queridos, com isso, só bateu aquela sensação de que realmente a série ruma para o final, só terá mais um livro agora. 

A narrativa nos mostra trinta anos depois do final do terceiro livro, mas em alguns momentos volta para o passado, para mostrar como eles conseguiram se reerguer na ilha. A colônia que Ivan acabou "criando" está muito maior, e mais organizada. Ivan faz questão de ter regras e leis, para que tudo funcione normalmente. Os zumbis não são um perigo extremo, mas ainda estão na beira da vida perfeita dessa sociedade. Porém, o que mais chama a atenção no enredo, é que o perigo encontra-se também internamente. Apesar de ser um momento de se unir para voltar a ter uma vida decente, os sentimentos de ganância e ambição pelo poder estão presentes. Além disso tudo, descobrimos que alguns zumbis sofreram uma espécie de mutação que os fazem ser mais rápidos e violentos, os chamados berserkers são o terror de todos. 

Nesse livro os filhos de Ivan e Estela estão adultos. Sendo assim, alguns dos personagens que conhecemos tão bem estão bem mais velhos, e alguns, mortos. O autor não teve pena nessa questão, foi um choque tremendo acompanhar o desenrolar da trama, pois as reviravoltas são muitas, e nenhuma delas esperadas. Então, já aviso que se você gosta muito de um personagem, desapegue antes de iniciar esse livro. Apesar de tudo isso, eu gostei muito da história, e principalmente, de ser surpreendida. As crônicas dos mortos virou minha série favorita no que se refere a zumbis.

A leitura é muito ágil e empolgante. É impossível largar o livro por um minuto que seja. A escrita de Rodrigo é marcante, fazendo o leitor se envolver muito em tudo o que acontece. Eu achei este livro muito diferente dos anteriores, e acho que é pelo fato de ele se passar tantos anos depois. Meio que bateu uma tristeza por isso, pois como eu disse, é perceptível que o fim se aproxima, e eu não estou preparada para dizer adeus.

O final é espetacular, eu senti um ódio imenso de tudo o que ocorreu, mas acho que se tivesse sido tudo diferente não teria o mesmo impacto. Foi tudo necessário, e já espero um último livro ainda mais intenso, sangrento e cheio de ação. Pelo que eu compreendi, o próximo volume talvez também se passe alguns anos na frente.

A ilha dos mortos foi muito mais do que eu esperava, a série me conquistou desde o primeiro livro, mas este quarto volume fez com que eu admirasse ainda mais o autor. Eu adoro que ele apresenta um desenvolvimento em cima não só dos zumbis, mas também dos sobreviventes. Se você procura uma série daquelas de tirar o fôlego, As crônicas dos mortos é a indicada. Eu simplesmente amei a leitura!

A edição da Faro Editorial está mais uma vez perfeita. A capa combina com as dos livros anteriores. E as páginas são amareladas e com uma fonte excelente para leitura. A parte interna está muito bonita.

8 comentários:

  1. Oi Andressa, tudo bem?
    Eu nem sabia da existência desses livros. Sempre assisto filmes que envolvam zumbis mas raramente encontro um livro sobre eles que prenda minha atenção sabe. Por isso comecei a ler sua resenha, como quem não quer nada sabe. Resultado? Parei quando você disse que eles sofreram mutação e estão mais rápidos e violentos. Isso porque decidi que quero ler kkkk
    Beijokas
    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
  2. Adoro historias com zumbis, ainda não li nenhum livro dessa série, mas ela vai pra minha lista de compras rs. Legal esses autores que conseguem fazer com que o leitor prenda a respiração, leia com o coração na mão, isso mostra que o livro é maravilhoso e surpreendente. Essa de jogar o livro na parede foi boa, uma vez me deu vontade de fazer isso kk.

    ResponderExcluir
  3. Sou viciada em tudo que envolve zumbis e por este motivo a série As cronicas dos mortos está nos meus desejados há séculos.
    É interessante o que o autor fez com este volume, passando vários anos do começo da história e colocndo as crianças daquela época como protagonistas.

    ResponderExcluir
  4. Oi, tudo bem?
    Adoro o tema zumbis, tanto em livros, como filmes e séries! Quando bem produzidos/escritos, claro.
    Tenho apenas um livro dessa série, mas quero completar, pois estou ansiosa para começar a leitura.
    Adorei sua resenha, muito bem elaborada.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Adoro livros de zumbis e os do Rodrigo são os meus preferido, já li o Vale dos mortos e elevador 16 e estou ansiosa para ler os outros. A escrita do Rodrigo é maravilhosa, ele consegue prender o leitor que fica fascinado por todos os acontecimentos.

    ResponderExcluir
  6. Oi Andressa,
    Minha única experiência com esta série foi em Elevador 16, que não me canso de falar que é muito bom e uma ótima introdução a este mundo criado por Rodrigo de Oliveira. Acho interessante que este livro seja 30 anos no futuro, isso é bom para mudar a dinâmica e inserir novos elementos na história, além de evitar que a série fique repetitiva e são grandes surpresas. Quero muito realizar a leitura destes livros, pois não tenho dúvidas de que a história irá me prender, assim como no conto.

    ResponderExcluir
  7. Meu Deus, lendo os comentários estou me achando um ET kkkkkkk Eu ODEIO zumbis, nao consigo ler ou assistir nada sobre o tema! Alem do medo basico, acho eles tao desinteressantes :(
    Meu marido eh viciado em Walking Dead e eu pesco uns episódios, mas detesto, nao rola mesmo. Lembrei de um jogo que eu tinha no PS ha anos atras e era de zumbis, comecava em uma noite chuvosa e voce tendo que escapar deles, eu sempre desligava o video game em minutos, pqe ficava tensa demais hahahaha

    ResponderExcluir
  8. Oi, Andressa.
    Tive a oportunidade de ler Elevador 16, spin-off dessa série e minha primeira experiência no mundo de zumbis, e gostei muito da escrita do Rodrigo! Comprei o box da série na Bienal do ano passado, mas ainda não li.
    Beijos.
    Amanda.
    www.historiamuda.com.br

    ResponderExcluir