domingo, 25 de dezembro de 2016

[Resenha] Um cântico para Leibowitz

|
Autor: Walter M. Miller Jr.
Páginas: 400
Editora: Aleph
Após ter sido quase aniquilada por um holocausto nuclear, a humanidade mergulha em desolação e obscurantismo, assombrada pela herança atômica e pelo vazio de uma civilização perdida. Os anos de loucura e violência que se seguiram ao Dilúvio de Fogo arrasaram o conhecimento acumulado por milênios. A ciência, causadora de todos os males, só encontrará abrigo na Ordem Albertina de São Leibowitz, cujos monges se dedicam a recolher e preservar os vestígios de uma cultura agora esquecida. Seiscentos anos depois da catástrofe, na aridez do deserto de Utah, o inusitado encontro de um jovem noviço com um velho peregrino guarda uma surpreendente descoberta, um elo frágil com o século 20. Um foco de luz sobre um mundo de trevas. Cobrindo mil e oitocentos anos de história futura, "Um cântico para Leibowitz" narra a perturbadora epopeia de uma ordem religiosa para salvar o saber humano. Marco da literatura distópica e pós-apocalíptica, vencedor do prêmio Hugo de 1961, este clássico atemporal é considerado uma das obras de ficção científica mais importantes de seu tempo.

Não tenho ideia de como começar essa resenha. Estou me sentindo incapaz de produzir um texto que exalte e expresse toda a grandiosidade da prosa de Walter M. Miller Jr. Um Cântico para Leibowitz está na minha lista de leituras faz tempo, mas o medo de não entender e não conseguir captar toda a mensagem do autor, sempre me fez protelar a leitura. Mas 2016 foi um ano de excelentes leituras, onde me desafiei a ler mais ficção científica; e nada melhor que o último livro nesse estilo do ano fosse logo o clássico, premiado e elogiado que foi colocado no mesmo patamar de Admirável Mundo Novo e 1984.

Preciso que levem em consideração que não sou uma pessoa com um conhecimento vasto e profundo de ficção científica, reitero que estou começando, portanto aqui vão opiniões e sensações, (principalmente sensações), pois acredito que os autores sempre buscam despertar algo nas pessoas quando escrevem livros tão desafiadores e visionários: uma semente pra questionar e se desafiar.

Não poderia ter lido em melhor momento, percebendo o mundo hoje. Esse livro tem seu foco em uma abordagem religiosa, e um embate com a ciência, na busca em comum pra salvar o conhecimento perdido, e me mostrou como não importa o tempo que passe, não importa quantas vidas sejam perdidas, não importa tanto massacre, o ser humano tem em seu instinto o poder da destruição, da revolta, e de não se satisfazer mesmo que seu paraíso seja construído. 

Pois ninguém consegue explicar como coisas abomináveis aconteceram e continuam a acontecer. Porque mesmo que digam "para que todos se lembrem e que isso não se repita", não adianta... Se você abrir os olhos e perceber o ciclo vicioso, tudo continua igual.

O ser humano acha-se capaz de acumular todo o conhecimento e impor o que acredita, e que esse acúmulo lhe trará sabedoria pra enfrentar tudo. Acúmulo não dá respostas, mas mostra caminhos; e se não for transmitido, e tudo se perder, não adianta nada. Se não houver o pensamento, a reflexão, e o entendimento da nossa inferioridade; perceber que pecar e errar faz parte da trilha da vida; que além do ego, existem coisas inexplicáveis - e se existe um limite, você precisa confiar.

Nessa época de Natal, a resposta pra tudo, sempre é e será a mesma. O autor se converteu ao catolicismo depois de lutar na Segunda Guerra e presenciar destruição, e escreveu esse livro como - para mim - uma forma de mostrar tudo aquilo que o ser humano sempre busca entender com o passar dos séculos e suas civilizações, e nunca alcança.

O livro é dividido em três partes, cada qual mostrando as falhas, erros e repetições que só o humano é capaz de fazer. O quanto precisamos sempre aprender, o quanto ainda somos falhos e vamos continuar sendo, mas precisamos perceber isso e buscar algo além do próprio umbigo. 

Tive que reler pra me situar, saber e conectar cada pedaço da história, e foi uma leitura impactante que merece ser refeita em outros anos; e hoje mesmo eu não sendo capaz de transmitir pra você o que eu queria (e tudo que me passou na minha cabeça a cada página com suas infinitas reflexões), espero pelo menos ter despertado em você a curiosidade em conhecer, pois o momento em que estamos passando está tão bem representado nesse livro, que acredito que você não tem outra opção se não essa: LEIA!

6 comentários:

  1. Olá!
    Esse livro parece ser muito profundo. Sua resenha deve ter sido bastante sofrida de escrever, para não contar spoliers ou escolher as palavras corretas. Me senti interessado em ler a obra, apesar de não curti muito o gênero, mas sua resenha me instigou!

    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Olá Dandra,
    É muito legal quando não encontramos palavras para falar de um livro e, melhor, o indicamos sem sombra de dúvidas para os outros. Gostei muito da premissa desse livro. É engraçado como o ser humano pensa que pode responder tudo, quando, na verdade, ele não responde nada. Muito legal o livro traz infinitas reflexões.
    Claro que anotei a dica, não poderia ser diferente.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Acredito que esse livro seja uma leitura incrivelmente complexa. Achei muito interessante ele passar por essas falhas, erros e repetições do ser humano, tem algo realmente diferente nisso. Infelizmente, não é um livro que leria no momento, estou procurando algumas coisas mais leves no momento.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Sim, você conseguiu despertar minhas curiosidade para ler este livro, afinal vemos como o ser humano se acha dono de tudo e é capaz de fazer tudo para se satisfazer. É uma leitura confusa, isso não posso mentir, mas a forma como você conseguiu captar os momentos do livro e trazê-los aqui, me deixou instigado.

    ResponderExcluir
  5. Má oee! Amo a temática do holocausto e do período pós holocausto, acho que leria sim. Infelizmente não tive a mesma sorte que você neste ano, foi um ano de poucas leituras em comparação com os outros. Enfim, abraço!

    ResponderExcluir
  6. Olá Dandra!

    Gente, eu nunca tinha ouvido falar nesse livro e me impressionei com o conteúdo agora! Eu acho super interessante distopias e esse com certeza vai para minha lista!

    Parabéns pela sua resenha, ela realmente me tocou e me deixou curiosa para ler essa obra!Um feliz 2017 pra você flor. ❤

    www.facesemlivros.com

    ResponderExcluir