domingo, 31 de julho de 2016

Caixinha de correio #104

| 9 comentários
Boa noite, leitores! Eu estava devendo esse post faz um bom tempo, mas finalmente saiu! Confiram tudo o que eu recebi durante as últimas semanas. ;)


Parceria



Recebi as solicitações da Arqueiro de julho, e eu estava ansiosa para ler Pecados no inverno, esse livro tem dois personagens que eu quero muito conhecer melhor. O eterno namorado eu não cheguei a solicitar, mas fiquei curiosa para ler o primeiro livro agora, rsrs.


 

Recebi também da Arqueiro esse kit lindo de Apenas um garoto. Estou muito curiosa para ler a obra. Como podem ver, veio em uma caixinha muito linda, mas os correios estragaram ela... :(

sábado, 30 de julho de 2016

[Resenha] Eu sem você

| 7 comentários
Autora: Kelly Rimmer
Páginas: 304
Editora: Arqueiro
Há um ano, conheci o amor da minha vida. Para duas pessoas que não acreditavam em amor à primeira vista, até que Lilah e eu chegamos bem perto de dizer que isso aconteceu conosco.
Eu tinha um bom emprego em uma agência de publicidade e não fazia outra coisa além de trabalhar. Era incapaz de tomar decisões sobre meu futuro e minha casa inacabada e não sabia aproveitar a vida. Até conhecer Lilah.
Lilah MacDonald era uma advogada ambientalista linda e decidida – e, para minha surpresa, detestava usar sapatos. Era uma pessoa tão maravilhosa que é até difícil descrevê-la.
Nosso relacionamento não poderia ser mais improvável, mas me transformou profundamente. Comecei a enxergar as coisas de outra forma e a redescobrir antigas paixões. Lilah me ensinou a viver outra vez e a aproveitar ao máximo tudo o que a vida tem a oferecer. Ela me proporcionou momentos incríveis, mas também manteve em segredo algo que partiu meu coração. Ainda assim, se há uma coisa que aprendi com Lilah é que o amor pode curar qualquer ferida. Meu nome é Callum Roberts e esta é a nossa história.


Segundo a capa do livro, “Se você é fã de JoJo Moyes, David Nicholls e Nicholas Sparks, então irá amar Eu sem você.”– Goodreads.

Mas eu como fã desses autores, discordo em parte dessa opinião. Sim, o livro contém muitos dos elementos também encontrados nos livros dos autores citados acima, e é justamente nesse lugar comum que pode se encontrar o empecilho para amar totalmente o livro – que conta uma estória de amor daquelas que todos querem viver, mas triste como todo bom romance –, e se você já leu esses autores antes, você provavelmente já conhece o enredo. Ou talvez o momento pouco romântico que estou vivendo atrapalhe a minha percepção o suficiente para não me apaixonar por esse enredo.

quinta-feira, 28 de julho de 2016

[Resenha] Arena 13

| 13 comentários
Autor: Joseph Delaney
Páginas: 320
Editora: Bertrand Brasil
Série: Arena 13, 1
Leif tem uma única ambição: tornar-se o melhor lutador da famosa Arena 13. Lá, os espectadores apostam em qual lutador vai derramar sangue primeiro. E, em ajustes de contas, apostam em qual lutador vai morrer. Mas a região é aterrorizada por Hob, um ser maligno que se deleita torturando a população e exibe o seu poder devastador desafiando combatentes da Arena 13 a lutas até a morte quando bem entende. E isso é exatamente o que Leif quer, pois ele conhece bem os crimes de Hob. E, no cerne da sua ambição, arde o desejo de vingança. Leif procura revanche contra o monstro que destruiu a sua família. Mesmo que isso lhe custe a vida.


Eu conheço Joseph Delaney por conta de sua conhecida série As aventuras do caça-feitiços. Série essa que eu adoro, aliás. Quando soube sobre o lançamento Arena 13, e que seria uma distopia, fiquei muito empolgada e óbvio que eu necessitava conhecer a história. A trama lembra a época dos gladiadores, porém, com uma tecnologia totalmente avançada e diferente. Eu adorei os elementos que o autor inseriu na trama. Meu medo no início foi que a leitura acabasse sendo um pouco difícil de entender por conta de termos e regras, no entanto, já nas primeiras páginas é possível adentrar nesse mundo sangrento e entender bem o conceito de cada luta.

terça-feira, 26 de julho de 2016

[Resenha] Star Wars: O retorno de Padawan

| 10 comentários
Autor: Jeffrey Brown
Páginas: 176
Editora: Aleph
Série: Academia Jedi, 2
Roan Novachez achou que seu segundo ano na Academia Jedi ia ser fácil, e foi… no começo. Ele construiu um robô super legal, foi numa excursão para um planeta gelado, e evitou a comida alienígena de Gammy. Mas aí tudo ficou confuso! O treinamento de piloto estelar foi bem mais difícil do que ele imaginava, seus melhores amigos começaram a ignorá-lo, e os valentões da turma estão tentando levá-lo para o lado sombrio. Justo quando Roan achou que tinha me acostumado com a escola…



1. Academia Jedi

O retorno de Padawan, continuação de Academia Jedi, irá nos mostrar mais um ano de Roan na Academia. E se você acha que será mais fácil por ser o segundo ano dele, está enganado. Seus amigos parecem distantes, e a matéria que ele mais ansiava em ter, aulas de pilotagem, é dada pelo professor que mais o odeia. É, não está fácil para Roan.



segunda-feira, 25 de julho de 2016

[Resenha] Mortos entre vivos

| 9 comentários
Autor: John Ajvide Lindqvist
Páginas: 360
Editora: Tordesilhas
Estocolmo, Suécia, 13 de agosto de 2002. Seria mais um dia normal na capital do civilizado e pacato país com um dos melhores IDH do mundo, não fosse uma "epidemia" de cefaleia e o estranho comportamento dos aparelhos eletrônicos: eles simplesmente não desligam, mesmo quando desconectados da tomada. Prenúncio de fenômeno ainda mais extraordinário: os mortos revivem - inclusive os falecidos até alguns meses antes. De repente, eles se movem, andam, deixam as câmaras de refrigeração dos hospitais, falam (ou balbuciam algumas palavras, como crianças) e podem ser ouvidos arranhando a tampa de suas urnas funerárias, nos cemitérios.



Quando eu vi o título desse livro pensei na hora: ZUMBIS! Porém, me decepcionei um pouco quando entendi que não seria uma história daquelas de apocalipse zumbi sangrentas e nem de sobrevivência. Passado o sentimento de 'fui enganada!', consegui me ater ao que o autor queria passar ao leitor com sua história, e foi possível gostar do desenvolvimento. O que mais me empolgou contudo na trama foi a narrativa: o autor traz o ponto de vista de mais de um personagem, nos mostrando suas histórias e como o fatídico dia em que os mortos acordaram alterou suas vidas e convicções.

domingo, 24 de julho de 2016

[Resenha] O acordo

| 14 comentários
Autora: Elle Kennedy
Páginas: 360
Editora: Paralela
Série: Amores improváveis, 1
''O Acordo" é um romance que vai te encantar e surpreender a cada página. Hannah Wells finalmente encontrou alguém que a interessasse. Mas, embora seja autoconfiante em vários outros aspectos da vida, carrega nas costas uma bagagem e tanto quando o assunto é sexo e sedução. Não vai ter jeito: ela vai ter que sair da zona de conforto Mesmo que isso signifique dar aulas particulares para o infantil, irritante e convencido capitão do time de hóquei, em troca de um encontro de mentirinha.
Tudo o que Garrett Graham quer é se formar para poder jogar hóquei profissional. Mas suas notas cada vez mais baixas estão ameaçando arruinar tudo aquilo pelo qual tanto se dedicou. Se ajudar uma garota linda e sarcástica a fazer ciúmes em outro cara puder garantir sua vaga no time, ele topa. Mas o que era apenas uma troca de favores entre dois opostos acaba se tornando uma amizade inesperada. Até que um beijo faz com que Hannah e Garret precisem repensar os termos de seu acordo.

Eu adoro o gênero new adult, independente de todos os clichês, pois eu sei que vão ser leituras cativantes e fáceis de se apegar, e não foi diferente em O acordo. Sim, a trama tem todos os clichês possíveis, porém, o desenvolvimento que Elle Kennedy dá às situações vivenciadas pelos personagens fazem o leitor se apaixonar por cada palavra. Eu realmente adorei a história, e em se tratando do romance tudo foi escrito de maneira apropriada para agradar. Entretanto, minha única ressalva é para a parte mais dramática, o que os personagens sofreram e carregam junto consigo até hoje, eu achei que a autora tocou superficialmente nessas partes e foi uma pena. 

sábado, 23 de julho de 2016

[Resenha] Star Wars: Academia Jedi

| 6 comentários
Autor: Jeffrey Brown
Páginas: 176
Editora: Aleph
Série: Academia Jedi, 1
O jovem Roan Novachez está ansioso! Agora que terminou a escola primária, tudo o que ele deseja é se juntar aos amigos na Academia de Pilotos. Mas seus planos vão por água abaixo quando ele descobre que foi rejeitado por essa escola e convidado a participar da Academia Jedi. Agora, sob a tutela do mestre Yoda e cercado por aliens, robôs e outros Jedi, Roan vai enfrentar todos os desafios comuns à idade, além de aprender diversas lições importantes, como utilizar a força, duelar com seu sabre de luz e o mais difícil: dançar com uma garota.


Eu simplesmente amo livros em forma de diário, ainda mais quando tem quadrinhos, meu lado criança vibra com esse tipo de leitura, pois sei que será diversão na certa. E não me enganei! Academia Jedi, primeiro livro da série de mesmo nome, tem tudo isso que eu falei e mais um pouco. Para quem não conhece nada do universo de Star Wars começar por essa leitura com certeza é uma boa pedida, pois o autor fala sobre personagens, situações, planetas e até mesmo a Força, elementos que são encontrados em tramas mais complexas.



quarta-feira, 20 de julho de 2016

[Novidades] Faro Editorial

| 1 comentários
Caleb Drake nunca esqueceu seu grande amor. Nem depois de se casar com Leah ou mesmo quando Olivia se casou com outro. Num momento em que a vida de todos parece entrar num turbilhão de mudanças, ele sente que precisa tomar uma decisão. Talvez a mais importante da sua vida. Caleb tem algumas certezas, mas, agora, há muito mais em jogo. Qualquer caminho que escolha trará graves consequências. Então ele descobre que, para seguir seus instintos, o preço pode ser insuportavelmente alto.
Lançamento: Agosto/16

Eventos 


Convidamos Tarryn Fisher ( autora da Série Amor & Mentiras) e Jen Sterling ( autora da série O Jogo Perfeito) para a Bienal do livro de SP em Agosto. E claro, um pulo em mais três cidades, confiram:

Bienal – São Paulo
Recife – Shopping Riomar
Belo Horizonte – Leitura Patio Savassi
Rio de Janeiro – Livraria Travessa Leblon

[Novidades] DarkSide

| 0 comentários


Por aproximadamente trinta anos o Sacerdote do Inferno – conhecido por todos nós pela sugestiva alcunha de Pinhead – tem sido um dos mais ilustres e famosos personagens do universo do terror de todos os tempos. O aclamado escritor Clive Barker, seu criador, apresenta agora o capítulo final desta saga, que teve início com Hellraiser – Renascido do Inferno. Publicado pela primeira vez no Brasil pela DarkSide® Books em 2015, o clássico de Barker se tornou um verdadeiro sucesso e liderou a lista dos mais vendidos da Amazon Brasil. Além disso, a edição chamou a atenção do próprio Barker que considerou-a a mais bela já feita para a sua novela. E agora não será diferente. Você vai entender tudo sobre o universo dos Cenobitas. Evangelho de Sangue oferece uma junção clara dentro do universo de Barker. Os leitores mais atentos já perceberam que as histórias dele se passam em um mesmo universo, mas, agora, o mundo de Hellraiser é explicitamente unido ao do detetive Harry D’Amour – que aparece em outras histórias do autor, como o conto “The Last Illusion”, presente no sexto volume dos Livros de Sangue, e no romance Everville. D’Amour, que se dedica a investigar casos sobrenaturais, mágicos e malignos, vem encarando seus demônios pessoais há anos. Quando ele se depara com uma Caixa das Lamentações – neste livro, Barker expande a mitologia da Caixa de Lemarchand, e conta que ela é só uma das muitas Caixa das Lamentações que existem por aí –, seus demônios internos são substituídos por demônios de verdade, conforme ele se vê enredado em um terrível jogo de gato e rato, absolutamente complexo, sangrento e perturbador.

Evangelho de Sangue reconduz os leitores ao tempo marcado por dois de seus maisicônicos personagens, que conduzem a história em uma batalha entre o bem e o mal tão antiga quanto o tempo, onde o autor conecta a mitologia de Hellraiser ao Inferno bíblico. Segundo o escritor inglês Michael Marshall Smith, “o embate entre D’Amour e Pinhead é meticulosamente construído, infinitamente criativo e tem muito bom humor. A personificação do mal está nos detalhes, é claro, e a imaginação singular de Barker permanece extraordinariamente fértil. Ele está no controle total de sua prosa [...] e percebe-se que este é um romance de um homem feliz por estar de volta, que ainda tem muito para nos oferecer. [...] É um universo estranho e secular. Venha ver o seu lado sombrio, se tiver coragem”.


Clive Barker retorna à sua poderosa voz narrativa em grande estilo. Evangelho de Sangue é o sombrio, sangrento e brutal épico do terror, narrado pelo mestre inquestionável do gênero, e ansiosamente aguardado pelos fãs.
Clive Barker é um homem renascentista de nossos tempos. Escreveu mais de vinte best-sellers de terror, incluindo Imajica, Livros de Sangue e a série de livros infantis Abarat. Produtor, roteirista e diretor de cinema, é o criador por trás das franquias Hellraiser e Candyman. O filme O Último Trem é baseado em um de seus contos. Dirigiu o videoclipe “Hellraiser”, do Motörhead. Desenvolveu os games Undying e Clive Barker’s Jericho. É artista plástico. Saiba mais em clivebarker.info.

“Eu vi o futuro do terror, seu nome é Clive Barker.”
STEPHEN KING, AO LER HELLRAISER NO ANO DE SUA PUBLICAÇÃO, EM 1986

[Novidades] Grupo Pensamento

| 0 comentários

Jangada




segunda-feira, 18 de julho de 2016

[Resenha] O papai é pop 2

| 13 comentários
Autor: Marcos Piangers
Páginas: 112
Editora: BelasLetras
Série: O papai é pop, 2
O papai é pop está de volta! Marcos Piangers vai colocar você no banco de trás do carro, ao lado das filhas Anita e Aurora, para contar novas histórias - algumas comoventes, algumas divertidas e outras talvez um pouco nojentas - sobre essa coisa absolutamente comum e extraordinária que é ser pai.Um sentimento que não se pode explicar, não se pode entender. Só se pode viver. Porque você não vai ter um filho para obter vantagens, descontos, deduções do imposto de renda ou balões de graça sempre que for ao shopping. Um filho vai esgotar suas economias e minguar suas noites de sono. Vai sujar suas camisas novas e desenhar em suas paredes.
Você vai ter um filho, na verdade, por um único motivo: para aprender a amar outra pessoa mais do que a você mesmo.


Eu não li O papai é pop, mas quando recebi o segundo livro fiquei bastante curiosa para conferir ambas as obras. Como é um livro de crônicas acredito que não tem problema começar pelo segundo, mas claro que irei ler o anterior assim que possível. A BelasLetras enviou O papai é pop 2 e A mamãe é rock, e eu fiquei muito feliz de receber. As edições estão lindas, as capas são com cores fortes, e eu amei cada detalhe.



domingo, 17 de julho de 2016

[Resenha] O bom dinossauro - A história do filme em quadrinhos

| 5 comentários
Páginas: 60
Editora: Pixel
Há 65 milhões de anos um asteroide estava prestes a atingir a Terra e extinguir os dinossauros. Mas falhou. Hoje em dia, Arlo é um dinossauro tímido e medroso que mora com sua família em uma fazenda. De repente, ele se vê sozinho, longe de casa e cercado de perigos. Sua única chance de voltar para sua família é uma criatura que ele decide chamar de Spot. Aprendendo a sobreviver, Arlo e Spot vão criar uma amizade que transformará a vida dos dois para sempre.não informado




Eu recebi O bom dinossauro junto com Divertida mente, então resolvi ler no mesmo dia os dois, e como são bem curtinhos, a leitura é feita em poucos minutos. Também não assisti o filme dessa obra, e não conhecia muito bem ela, mas depois de ler os quadrinhos fiquei encantada com a trama e imagino que seja uma daquelas animações que te deixam com lágrimas nos olhos no final.


sexta-feira, 15 de julho de 2016

[Resenha] Tony & Susan

| 8 comentários
Autor: Austin Wright
Páginas: 334
Editora: Intrínseca
Há vinte e cinco anos, Susan Morrow deixou Edward Sheffield, seu primeiro marido. Certo dia, instalada confortavelmente na casa em que mora, com os filhos e o segundo marido, inesperadamente ela recebe, pelo correio, um embrulho que contém o manuscrito do primeiro romance escrito por Edward. Ele lhe pede que leia seu livro: Susan sempre foi sua melhor crítica, justifica. Tony e Susan, de Austin Wright, publicado originalmente nos Estados Unidos em 1993, ganha nova edição, dezoito anos depois de seu lançamento, por se tratar, segundo seus editores, da “mais impressionante obra de arte da ficção americana desde Revolutionary Road, de Richard Yeats”, publicado no Brasil como Foi apenas um sonho.Ao iniciar a leitura, Susan é arrastada para dentro da vida do personagem Tony Hastings, um professor de matemática que leva a família de carro para a casa de veraneio no Maine. Quando a vida comum e civilizada dos Hastings é desviada de seu curso de forma violenta e desastrosa, Susan se vê novamente às voltas com seu passado, obrigada a encarar a própria escuridão e a dar um nome para o medo que corrói seu futuro e que vai mudar sua vida.


Comprei Tony & Susan em uma promoção do Submarino por impulso, tanto que a obra ficou uns bons anos parada na estante. Finalmente peguei a obra para ler, obrigada book jar!, e eu ainda não sei o que pensar da leitura. Eu resolvi ler sem conferir novamente a sinopse, e acabei me surpreendendo com tudo o que eu encontrei no enredo. Um ponto que posso falar sem dúvida, é que a narrativa do autor é totalmente viciante. Eu gostei bastante de ter duas histórias no mesmo livro, foi algo que me envolveu como uma leitora assídua.

quinta-feira, 14 de julho de 2016

[Resenha] Sedução da seda

| 9 comentários
Autora: Loretta Chase
Páginas: 304
Editora: Arqueiro
Série: As modistas, 1
Talentosa e ambiciosa, a modista Marcelline Noirot é a mais velha das três irmãs proprietárias de um refinado ateliê londrino. E só mesmo seu requinte impecável pode salvar a dama mais malvestida da cidade: lady Clara Fairfax, futura noiva do duque de Clevedon.
Tornar-se a modista de lady Clara significa prestígio instantâneo. Mas, para alcançar esse objetivo, Marcelline primeiro deve convencer o próprio Clevedon, um homem cuja fama de imoralidade é quase tão grande quanto sua fortuna.
O duque se considera um especialista na arte da sedução, mas madame Noirot também tem suas cartas na manga e não hesitará em usá-las. Contudo, o que se inicia como um flerte por interesse pode se tornar uma paixão ardente. E Londres talvez seja pequena demais para conter essas chamas.
Primeiro livro da série As Modistas, Sedução da seda é como um vestido minuciosamente desenhado por Loretta Chase: de cores suaves e românticas em alguns trechos, mas adornado com os detalhes perfeitos para seduzir.

Sedução da seda, primeiro livro da série As modistas, me conquistou já pela sinopse. Como fã de romances de época, essa era uma leitura que eu precisava fazer, e como nunca havia lido nada da Loretta Chase aí estava minha chance. Eu fui arrebatada por essa história bem escrita, divertida e cheia de romantismo. Loretta criou personagens femininas independentes, fortes e sensuais, o que me fez gostar mais ainda da leitura, pois odeio mocinhas indefesas e sem sal. Amei a leitura do início ao fim, e com certeza essa será uma série que eu irei acompanhar até o final.

quarta-feira, 13 de julho de 2016

[Resenha] The kiss of deception

| 24 comentários
Autora: Mary R. Pearson
Páginas: 406
Editora: DarkSide
Série: Crônicas de amor e ódio, 1
Tudo parecia perfeito, um verdadeiro conto de fadas menos para a protagonista dessa história. Morrighan é um reino imerso em tradições, histórias e deveres, e a Primeira Filha da Casa Real, uma garota de 17 anos chamada Lia, decidiu fugir de um casamento arranjado que supostamente selaria a paz entre dois reinos através de uma aliança política. O jovem príncipe escolhido se vê então obrigado a atravessar o continente para encontrá-la a qualquer custo. Mas essa se torna também a missão de um temido assassino. Quem a encontrará primeiro? Quando se vê refugiada em um pequeno vilarejo distante o lugar perfeito para recomeçar ela procura ser uma pessoa comum, se estabelecendo como garçonete, e escondendo sua vida de realeza. O que Lia não sabe, ao conhecer dois misteriosos rapazes recém-chegados ao vilarejo, é que um deles é o príncipe que fora abandonado e está desesperadamente à sua procura, e o outro, um assassino frio e sedutor enviado para dar um fim à sua breve vida. Lia se encontrará perante traições e segredos que vão desvendar um novo mundo ao seu redor.


The kiss of deception é o primeiro livro da série Crônicas de amor e ódio, da autora Mary E. Pearson. Eu estava muito ansiosa para conferir essa obra, primeiro por causa dessa capa que me encantou imediatamente, segundo por saber que a trama tinha uma ambientação medieval, eu simplesmente amo esse tipo de história. Foi até surpreendente a DarkSide publicar a obra, pois ela é um pouco diferente do que a editora costuma lançar. Mas, eu amei mesmo assim! Esse foi um dos lançamento de 2016 que eu mais esperava, e ao terminar a leitura posso dizer que todas as minhas expectativas foram superadas. The kiss of deception já foi para a lista de melhores do ano, obviamente.

segunda-feira, 11 de julho de 2016

[Resenha] Emboscada em Nova York

| 10 comentários
Autor: James Phelan
Páginas: 168
Editora: Fundamento
Série: Os últimos sonhadores, 1
O que fazer quando seus pesadelos se tornam realidade? Quando tudo o que você conhece e em que acredita muda de uma hora para outra? Para Sam, essas não são apenas perguntas. É sua nova vida. Sequestrado na escola, o garoto se vê envolvido em uma trama extraordinária: ele é um dos Últimos 13, um grupo de pessoas especiais que têm o poder de mudar a realidade através de seus sonhos. Agora, ele e mais dois jovens, Alex e Eva, estão sendo caçados por poderosas sociedades secretas que querem dominar o mundo! E não se pode confiar em ninguém, pois mesmo aqueles que se dizem aliados aparentam esconder alguma coisa.
Sam ainda não sabe, mas o destino dele é o destino de toda humanidade. É dele a missão de encontrar os outros sonhadores e impedir que Solaris, um misterioso e poderoso inimigo, destrua tudo e todos.

Emboscada em Nova York é o primeiro livro da série Os últimos sonhadores, do autor James Phelan. Eu me surpreendi bastante com a história, apesar do livro ser curto, e o desenvolvimento rápido, todos os elementos mostrados são bastante empolgantes, o que tornou a leitura instigante e arrebatadora. A obra tem bastante ação, e tudo é revelado de forma rápida, o que não se tornou aquelas leituras que você fica ansioso para descobrir respostas, eu realmente apreciei que o autor não fez desta forma.

domingo, 10 de julho de 2016

[Resenha] A garota do calendário - Fevereiro

| 10 comentários
Autora: Audrey Carlan
Páginas: 135
Editora: Verus
Série: A garota do calendário, 2
Ela precisava de dinheiro. E nem sabia que gostava tanto de sexo. O fenômeno editorial do ano e best-seller do New York Times, USA Today e Wall Street JournalMia Saunders precisa de dinheiro. Muito dinheiro. Ela tem um ano para pagar o agiota que está ameaçando a vida de seu pai por causa de uma dívida de jogo. Um milhão de dólares, para ser mais exato. A missão de Mia é simples: trabalhar como acompanhante de luxo na empresa de sua tia e pagar mensalmente a dívida. Um mês em uma nova cidade com um homem rico, com quem ela não precisa transar se não quiser? Dinheiro fácil. Parte do plano é manter o seu coração selado e os olhos na recompensa. Ao menos era assim que deveria ser...
Em fevereiro, Mia vai passar o mês em Seattle com Alec Dubois, um excêntrico artista francês. No papel de musa, ela vai embarcar em uma jornada de descobertas sexuais e lições sobre o amor e a vida que permanecerão com ela para sempre.
1. Janeiro

Fevereiro é o segundo livro da série A garota do calendário, e temos mais um cliente de Mia para encantar o leitor. Infelizmente, o personagem masculino não me convenceu. Pelo jeito, homens franceses não são meu fraco. Eu o achei muito meloso, egocêntrico e sem sal. Fiquei o tempo todo pensando: Mia, volta para o Wes enquanto ainda é tempo. Pois é. Mesmo não gostando dele, a leitura foi boa. É uma leitura rápida, e aos poucos a autora vai nos mostrando mais quem é Mia. Como eu disse na outra resenha, ela está amadurecendo como mulher.

sábado, 9 de julho de 2016

[Resenha] Náufragos, traficantes e degredados

| 7 comentários
Autor: Eduardo Bueno
Páginas: 176
Editora: Estação Brasil
Série: Brasilis, 2
Os anos mais desconhecidos da história do Brasil são justamente aqueles que se estendem da descoberta de Cabral, em abril de 1500, à expedição de Martim Afonso de Sousa, em 1531. Repletas de drama, ação e aventura, essas três décadas não são apenas as mais misteriosas, mas também as mais intensas e movimentadas.
Tudo isso graças aos incríveis personagens que acabaram definindo os rumos da colônia: os náufragos, traficantes e degredados. A partir de diários de bordo, narrativas de viagem e fragmentos de cartas, este livro busca resgatar a trajetória pessoal desses homens de reputação sombria e origem enigmática, à margem da história oficial. Embora tenham vivido além dos limites, além da lei e aquém da ética, eles foram os primeiros brasileiros – no sentido literal da palavra.  Passados 500 anos, é chegada a hora de náufragos, traficantes e degredados recuperarem o papel que desempenharam na construção do Brasil, ao conseguirem se aliar aos índios e conquistar poder político, intermediando o comércio com potências europeias. Este é o segundo volume da coleção Brasilis, que alcançou a marca de 1 milhão de exemplares vendidos e inaugurou um estilo leve, crítico e divertido de contar a história de nosso país.


Claramente, esse livro da história do Brasil foge um pouco dos gêneros resenhados aqui no blog, mas, ao mesmo tempo, atende a um gosto pessoal meu. Não necessariamente pela descrição de fatos históricos, mas assim como toda ficção usada em re-contos das histórias bíblicas, eu aprecio muito os detalhes, os sentimentos e as emoções. E essas coisas certamente você não encontra nas narrações bíblicas ou nos livros de história da escola.

sexta-feira, 8 de julho de 2016

[Resenha] A guerra dos mundos

| 19 comentários
Autor: H. G. Wells
Páginas: 296
Editora: Suma de Letras
Eles vieram do espaço. Eles vieram de Marte. Com tripés biomecânicos gigantes, querem conquistar a Terra e manter os humanos como escravos. Nenhuma tecnologia terrestre parece ser capaz de conter a expansão do terror pelo planeta. É o começo da guerra mais importante da história. Como a humanidade poderá resistir à investida de um potencial bélico tão superior? Publicado pela primeira vez em 1898, A guerra dos mundos aterrorizou e divertiu muitas gerações de leitores. Esta edição especial contém as ilustrações originais criadas em 1906 por Henrique Alvim Corrêa, brasileiro radicado na Bélgica. Conta também com um prefácio escrito por Braulio Tavares, uma introdução de Brian Aldiss, membro da H. G. Wells Society, e uma entrevista com H. G. Wells e o famoso cineasta Orson Welles — responsável pelo sucesso radiofônico de A guerra dos mundos em 1938 —, que fazem desta a edição definitiva para fãs de Wells.

Quando aparecem livros sobre o mundo sendo arrasado por doenças, desastres naturais, ataques, e por seres de outros planetas, pode ter certeza que vou querer ler. Isso vale pra filmes também. Não sei por qual razão, mas preciso conhecer através do ponto de vista de diversos escritores ou roteiristas e diretores, como o ser humano reagiria em situações como essa.

quinta-feira, 7 de julho de 2016

[Resenha] Na estrada Jellicoe

| 5 comentários
Autora: Melina Marchetta
Páginas: 296
Editora: Seguinte
A pequena cidade de Jellicoe, na Austrália, vive uma guerra territorial travada entre três grupos: os estudantes do internato, os adolescentes da cidade e os alunos de uma escola militar que acampa na região uma vez por ano. Taylor é líder de um dos dormitórios do internato e foi escolhida para representar seus colegas nessa disputa.
Mas a garota não precisa apenas liderar negociações: ela vai ter que enfrentar seu passado misterioso e criar coragem para finalmente tentar compreender por que foi abandonada pela mãe na estrada Jellicoe quando era criança. Hannah, a única adulta em quem Taylor confia e que poderia ajudar, desaparece repentinamente e a pista sobre seu paradeiro é um manuscrito que narra a história de cinco crianças que viveram em Jellicoe dezoito anos atrás.


Na estrada Jellicoe foi uma leitura bem difícil de fazer, pois o início é muito confuso, e o leitor meio que não sabe qual o rumo que a história vai tomar. Porém, quando passamos por essas páginas iniciais e algumas revelações são mostradas... uau! É possível ver toda a beleza da trama, e até mesmo gostar da escrita quase poética da autora. Eu lembrava que havia solicitado o livro por conta da sinopse, mas quando iniciei a leitura não sabia de mais nada do enredo mas, mesmo assim, minhas expectativas estavam altas. Eu confesso que foi frustrante no início, mas ainda bem que é muito difícil eu abandonar uma leitura, pois essa foi muito mais do que eu esperava.

quarta-feira, 6 de julho de 2016

[Resenha] A garota do calendário - Janeiro

| 9 comentários
Autora: Audrey Carlan
Páginas: 144
Editora: Verus
Série: A garota do calendário, 1
Ela precisava de dinheiro. E nem sabia que gostava tanto de sexo. O fenômeno editorial do ano e best-seller do New York Times, USA Today e Wall Street JournalMia Saunders precisa de dinheiro. Muito dinheiro. Ela tem um ano para pagar o agiota que está ameaçando a vida de seu pai por causa de uma dívida de jogo. Um milhão de dólares, para ser mais exato.
A missão de Mia é simples: trabalhar como acompanhante de luxo na empresa de sua tia e pagar mensalmente a dívida. Um mês em uma nova cidade com um homem rico, com quem ela não precisa transar se não quiser? Dinheiro fácil.
Parte do plano é manter o seu coração selado e os olhos na recompensa. Ao menos era assim que deveria ser...
Em janeiro, Mia vai conhecer Wes, um roteirista de Malibu que vai deixá-la em êxtase. Com seus olhos verdes e físico de surfista, Wes promete a ela noites de sexo inesquecível — desde que ela não se apaixone por ele.

Eu recebi os dois primeiros volumes da série A garota do calendário, da autora Audrey Carlan, e como no mochilão da Record haviam comentado sobre ela eu fiquei ansiosa para ler, então foi uma surpresa bem vinda, e eu iniciei a leitura na mesma hora. Eu gosto de histórias mais apimentadas, mas tem que ser algo com conteúdo. Não me importo que seja clichê, tendo um desenvolvimento bacana estou dentro. E a primeira coisa que me surpreendeu quando os livros chegaram é que eles são muito curtos! Cada um tem menos de 130 páginas, então meu pensamento foi: será que a autora conseguiria mostrar a história de Mia bem? E conseguiu! A leitura é rápida, mas é fácil de se envolver com os personagens e situações. O desenvolvimento da trama não é muito detalhado, mas consegue passar ao leitor as informações necessárias para entender os motivos de Mia estar trabalhando como acompanhante de luxo.

terça-feira, 5 de julho de 2016

[Resenha] A falsa princesa

| 6 comentários
Autora: Eilis O'Neal
Páginas: 408
Editora: Farol Literário
Princesa e herdeira do trono de Thorvaldor, Nalia leva uma vida privilegiada na Corte. Mas, logo após seu aniversário de dezesseis anos, ela descobre que é uma falsa princesa e que foi colocada no lugar da verdadeira para protegê-la. Obrigada a deixar o palácio com pouco mais do que suas roupas, a garota, agora chamada de Sinda, terá de abandonar a cidade, seu melhor amigo, Kiernan, e a única vida que ela conhecia. Enviada para viver com a tia no interior, Sinda não se mostra capaz de executar nem a mais simples tarefa. Mas, para sua surpresa, ela descobre que uma intensa e perigosa magia corre por suas veias, e que ela jamais será apenas uma humilde camponesa. Sinda retorna à cidade em busca de respostas. Reencontra o garoto que se recusou a abandoná-la e desvenda segredos que podem mudar a história de Thorvaldor para sempre.

A falsa princesa surpreende por sua originalidade. Enquanto algumas histórias falam de garotas que se tornam princesas, nesta obra conhecemos uma princesa que descobre ser uma plebeia. Não se preocupem, isso não é spoiler, e mesmo assim, quando é revelado é impossível não se chocar ou sentir revolta com a situação toda. Sentimos muita pena da personagem, imagina você ser princesa, rica, com um futuro garantido, e de uma hora para outra perder isso? É uma situação terrível, mas não é só nisso que o livro nos prende a atenção. Há magia envolvida, além de intrigas e traições que deixam a leitura ainda mais envolvente.

segunda-feira, 4 de julho de 2016

[Filme] The fundamentals of caring

| 1 comentários
The Fundamentals of Caring acompanha a história de Ben, um escritor que decide ser cuidador após sofrer uma tragédia pessoal. Seu primeiro cliente, Trevor, é um jovem boca-suja de 18 anos com distrofia muscular. Juntos, eles embarcam em uma viagem por todos os lugares com os quais Trevor ficou obcecado assistindo ao noticiário de TV, incluindo seu Santo Graal: o buraco mais profundo do mundo. No caminho, uma garota sem rumo e uma futura mãe fazem a dupla encarar diversos problemas, nenhum simples. Aventurando-se pela primeira vez além das fronteiras de seu mundo milimetricamente calculado, eles descobrem o que é ter esperança e amigos de verdade.







Quando vi que o filme seria lançado, tendo Paul Rudd que virei fã depois do Homem-Formiga e depois de minha maratona de Friends; e a Selena Gomez que é uma boa atriz, pois todos os três filmes que assisti dela não me decepcionaram, pois são consistentes, bons, divertidos, com um pouco de drama e sempre bem dirigidos; não me deixaram outra opção se não essa: vê-lo.

domingo, 3 de julho de 2016

Caixinha de correio #103

| 5 comentários
Boa noite, leitores! Está no ar a caixinha de correio das duas últimas semanas, como veio pouca coisa resolvi deixar acumular. Vamos conferir?


Parceria



Recebi a solicitação de junho do Grupo Editorial Record! *---* Falaram tão bem de Silêncio no evento do mochilão que estou muito ansiosa por essa leitura. Arena 13 também me interessou bastante, ainda mais sendo do Delaney!



Ainda do Grupo Record recebi de surpresa esses dois lançamentos da série A garota do calendário. Já li o primeiro, e amei! Os livros são bem curtinhos, é muito rápido de ler.



Recebi surpresa também da BelasLetras com esses dois livros lindos! Eu não li o primeiro O papai é pop, mas acredito que não tenha problema.

sábado, 2 de julho de 2016

Pilha de leitura #38

| 2 comentários

E já estamos em mais da metade do ano, que horror! A parte boa disso é que logo tem Bienal! Quem mais vai? Bom, e vamos para a pilha de leitura! Dos livros que eu escolhi no mês passado não li dois, e coloquei um novo na pilha. Fechei junho com doze livros lidos, o que eu achei muito bom, pois parece que cada vez tenho menos tempo ainda para ler. :( Vamos conferir?