quinta-feira, 26 de junho de 2014

[Resenha] Insígnia - A arma secreta

|
Autora: S. J. Kincaid
Considerado um fracassado por todos, com uma aparência pouco digna de atenção e uma vida cheia de incertezas, Tom Raines é um garoto de 14 anos que possui apenas uma habilidade – jogar videogame. Durante anos perambulou de cassino em cassino com seu pai, um jogador sem sorte, que fazia de seu vício um meio de sobrevivência e, a cada dia, iniciava uma jornada em busca de um “lar”, mesmo que isso significasse um quarto qualquer pago com um pouco de dinheiro ganho em apostas. Certo dia, ao ter seus combates virtuais monitorados por um general, Tom é convidado para integrar a elite do Exército e usar seu talento para ajudar o seu país a vencer a Terceira Guerra Mundial. Neste combate, os oponentes são empresas multinacionais e não há vítimas humanas. Sediada no sistema solar, a disputa principal é o controle sobre os direitos de mineração e recursos naturais em extinção. Os combatentes são, na verdade, máquinas controladas pela força da mente dos adolescentes, através de dispositivos implantados em seu cérebro. Tom então percebe que essa será a oportunidade de tornar-se alguém importante e conquistar sucesso, amigos e um amor de verdade.

Insígnia foi um livro que me surpreendeu de diversas maneiras. Primeiro havia me assustado com o tamanho, quase 500 páginas!, mas conforme fui lendo percebi que a história era tão envolvente que terminaria antes do previsto. Segundo, a trama se mostrou incrível, uma distopia misturada com ficção que vai arrebatar os fãs dos dois gêneros. A autora criou algo tão sensacional que mesmo esse primeiro livro tendo muito mais uma apresentação aos aspectos e detalhes desse novo "mundo" do que cenas bombásticas com revelações e tudo mais, que vemos em algumas distopias, conseguiu me encantar! Claro que tem sim algumas partes que fazem o leitor enlouquecer, mas o livro em si, foca muito mais em explicar os procedimentos do dia-a-dia do personagem principal. O que mais me surpreendeu na trama é o fato de não ter sangue, mortes e violência, tudo é focado na inteligência e estratégias.

Tom tem quatorze anos e passa de cidade em cidade com seu pai, um homem que adora jogar e como sempre acaba perdendo não consegue ter uma moradia fixa. Tom adora essa vida, assim como adora jogar nos RV's, simuladores de jogos. Certo dia aparece um militar que o recruta para algo incrível: uma chance de combater os inimigos na Terceira Guerra Mundial que se desenrola. A Guerra não acontece na  Terra, e sim, em outros planetas, com naves comandadas por humanos que nem precisam estar realmente lá! É para isso que os jovens são recrutados e treinados. E é nisso que Tom se mete. Acompanhamos então seu desenvolvimento dentro da Agulha, e as amizades que acaba fazendo. Com o tempo ele percebe que há outro tipo de jogo a se jogar quando as pessoas fazem qualquer coisa para conseguir um patrocinador.

- Não é assim que devia ser a rebeldia adolescente. Você devia me chocar ao fazer algo escandaloso, e não escolher ser parte das normas preestabelecidas pela sociedade.
- Essa é a coisa mais escandalosa que pretendo fazer, pai. Assine o formulário.
- Preferia que fizesse uma tatuagem.

A autora criou uma trama bem desenvolvida, e a tecnologia que ela insere nela junto ao pano de fundo que é a guerra só a deixou mais realista e imaginável. É algo que nos faz pensar que realmente poderia existir. E a história por trás da guerra é tão bem detalhada que nem nos damos conta que é algo criado. Um futuro assustador, mas, ao mesmo tempo incrível com tudo que é descrito. E o que se destaca nisso tudo é a amizade. Tom é alguém que pode se confiar para qualquer coisa. Impulsivo e sarcástico, ele faz amigos igualmente admiráveis, cada um com sua personalidade marcante. 

Apesar de achar que a maior parte do livro foi muita apresentação e blábláblá (não que eu não tenha gostado, eu adorei tudo!), houve situações e intrigas que realmente mereceram atenção. Tudo é importante na história, e acredito que na continuação as coisas vão pegar fogo! Há algumas revelações que prometem bastante ação.

- Estou fazendo o papel de um Lancelote mais erudito, que prefere se sentar aqui e defender o castelo com o poder da mente.
- Lancelote não pode defender nada com o poder da mente. Não é o Yoda; é Lancelote, um cavaleiro da Távola Redonda. Ele luta contra bárbaros. É divertido!

O final acabou de uma forma que não faria o leitor ansiar para a continuação, mas o desenvolvimento do livro foi tão gostoso de acompanhar, e o crescimento dos personagens tão alarmante, que foi impossível não desejar loucamente o segundo livro mesmo assim. A narrativa da autora nos faz mergulhar profundamente na trama, o que só tornou a leitura mais fluída ainda. Fico tentando imaginar um filme, e uau, seria incrível! Nem preciso dizer que recomendo, certo? Dei vários motivos para ler, ainda mais se você gosta de um dos gêneros, não terá como não adorar a história.

20 comentários:

  1. Oi Dessa, tudo bem?
    Primeiro, a capa chama a atenção com essa cor forte e o título foi muito bem escolhido. Eu leria só pela sinopse. Mas depois da sua resenha fiquei muito mais animada para conhecer essa história e o fato de ser ficção me agrada muito, estou cada vez mais gostando desse gênero.
    beijinhos.
    cila-leitora voraz
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A capa é linda mesmo, bem chamativa.
      Nem fala, achei demais uma distopia com ficção! *-*

      Excluir
  2. Tem livros que são escritos para virar filme né?
    Esse é um.

    Não li, mas morro de vontade. Até porque todas as resenhas são positivas, e a sua também!!

    Adorei. Dois temas que adoro juntos. Não tem como eu não gostar.

    Bjks

    Lelê - http://topensandoemler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. É um livro encantador não é Dessa? Fiquei aqui acompanhando a resenha e querendo ler, como eu já falei você consegue trazer livros surpreendentes para resenhar e a cada dia você aumenta a minha lista de livros para ler e consequentemente você ajuda na minha falência (rsrsrsrsr) Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desculpa por te falir, hahaha. *-*
      Mas esse vale a pena, sério!

      Excluir
  4. Oi Dessa, o que mais me chamou a atenção foi o protagonista ter 14 anos. novo não? Espero ter a oportunidade de ler o livro e acompanhar o desenvolvimento desse menino. Dica mais do que anotada ;)

    Beijos Joi Cardoso
    Participe do sorteio! Você pode ganhar um KINDLE! | Estante Diagonal

    ResponderExcluir
  5. Hey
    Lembro que vi esse livro na Bienal, ele é bem grosso sim.

    Gostei do que li na sua resenha, pela idade do protagonista imagino que muitos dramas adolescentes devem estar presentes haha

    A capa é muito bem feita.

    bjs e um ótimo final de semana
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estão mesmo! Afinal, adolescente, né? hahaha

      Excluir
  6. Leria principalmente por sua indicação.
    Não é o tipo de leitura que leio habitualmente,mas gostaria de experimentar.

    ResponderExcluir
  7. Já tinha visto o livro, mas essa é a primeira resenha que vejo sobre, e posso dizer que o livro parece muito bom, adorei o enredo e amo essa capa.

    ResponderExcluir
  8. Adorei a capa e o nome do livro também chama atenção. Sou fã de distopias e de ficção então nem preciso dizer que fiquei muito interessada. Apesar do tamanho do livro assustar um pouco sua resenha deixou minha curiosidade aguçada. Mais um pra minha lista de desejados!!!

    Beijos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A capa é muito bonita. *-*
      O bom é que apesar do tamanha é uma leitura rápida. ♥

      Excluir
  9. Tenho me aventurado com algumas distopias e acho que essa seria um prato cheio para mim agora. Não sabia, na verdade, mas descobri há pouco tempo que tenho uma certa paixão até então escondida por esse gênero. Adorei a resenha, focando nos pontos positivos da escrita do autor. Gosto de narrativas bem construídas e não tenho dúvidas de que esse seja um bom livro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É difícil não gostar de distopia, né? *-* É um ótimo livro, você vai adorar!

      Excluir
  10. Me ganhou no distopia com ficção, de verdade auhahhuauha

    Juntou dois dos meus generos favoritos, com execução boa, vixi já vi que vou amar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, dois gêneros muito amor, combinam muito bem!

      Excluir
  11. Oi Dessa..
    Gostei da sua descrição e elogios, mas não sei se leria.
    Ainda mais que tem tantas páginas.
    Quem sabe ..

    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir