terça-feira, 18 de setembro de 2018

[Resenha] O dueto sombrio

| 3 comentários
Autora: Victoria Schwab
Páginas: 448
Editora: Seguinte
Duologia: Monstros da violência, 2
Na sequência final de A Melodia Feroz, Kate Harker precisa voltar para Veracidade e se unir ao sunai August Flynn para enfrentar um ser que se alimenta do caos.
Kate Harker não tem medo do escuro. Ela é uma caçadora de monstros — e muito boa nisso. August Flynn é um monstro que tinha medo de nunca se tornar humano, mas agora sabe que não pode escapar do seu destino. Como um sunai, ele tem uma missão — e vai cumprir seu papel, não importam as consequências.
Quase seis meses depois de Kate e August se conhecerem, a guerra entre monstros e humanos continua — e os monstros estão ganhando. Em Veracidade, August transformou-se no líder que nunca quis ser; em Prosperidade, Kate se tornou uma assassina de monstros implacável. Quando uma nova criatura surge — uma que força suas vítimas a cometer atos violentos —, Kate precisa voltar para sua antiga casa, e lá encontra um cenário pior do que esperava. Agora, ela vai ter de encarar um monstro que acreditava estar morto, um garoto que costumava conhecer muito bem, e o demônio que vive dentro de si mesma.


1. A melodia feroz

O dueto sombrio é o segundo, e último, volume da duologia Monstros da violência. Eu simplesmente adorei A melodia feroz, então minha empolgação por essa continuação estava extremamente alta. Porém, me vi um pouco decepcionada quando já estava na metade do livro e nada realmente muito surpreendente havia acontecido. Parece que a autora colocou todas as reviravoltas marcantes no primeiro livro, e nesse segundo usou apenas para finalizar as pontas soltas e mostrar um pouco das consequências das decisões dos personagens principais. 

sábado, 15 de setembro de 2018

[Resenha] Estilhaça-me

| 2 comentários
Autora: Tahereh Mafi
Páginas: 304
Editora: Universo dos Livros
Série: Estilhaça-me, 1
Um toque é o bastante. Com apenas um toque, Juliette Ferrars é capaz de fazer um homem adulto se ajoelhar de dor e implorar por misericórdia. Um único toque de Juliette pode matar. Ninguém sabe por que a garota tem um poder tão impressionante, o qual ela acredita ser uma maldição, um fardo que uma pessoa sozinha seria incapaz de carregar. Contudo, o Restabelecimento enxerga essa característica como um dom e passa a vê-la como uma oportunidade – uma oportunidade de usá-la como arma letal. Porém, Juliette tem seus próprios planos.




Estilhaça-me é o primeiro volume da série de mesmo nome, escrita por Tahereh Mafi, e republicada pela Universo dos livros. Eu li esse livro quando tinha sido lançado pela Novo Conceito, mas acabei não dando continuidade - por nenhuma razão em especial mesmo -, apesar da vontade de ler os próximos livros. Esse ano eu tive a oportunidade de reler esta obra, que agora eu pretendo continuar sem me demorar muito. A editora lançou o quarto livro, inédito aqui no Brasil, e pretende relançar todos os livros anteriores. Normalmente eu não gosto de reler livros, mas neste caso eu achei necessário para dar continuidade na leitura da série. 

quarta-feira, 12 de setembro de 2018

[Resenha] A montanha

| 6 comentários
Autor: John Flanagan
Páginas: 360
Editora: Fundamento
Série: Brotherband, 5
Depois de enfrentar os comerciantes de escravos de Socorro, Hal e a tripulação do Garça-Real retornam a Araluen e recebem uma nova missão do rei Duncan: proteger sua filha, a princesa Cassandra. Ela sofreu um atentado que, felizmente, foi frustrado. Contudo, os assassinos pertencem à seita de Imrika, conhecida por caçar e perseguir suas vítimas até a morte – incansavelmente. Esses fanáticos precisam ser detidos antes que seja tarde e, assim, os Brotherbands e Gilan, o lendário arqueiro de Araluen, partem à procura do covil inimigo na temida Montanha do Escorpião, localizada no deserto de Ephesa.
Só que, quando religião e morte se misturam, nem mesmo a calmaria das águas mais profundas dará trégua aos corajosos aventureiros. No caminho, um tirano sedento por vingança e um grupo de cruéis mercenários unem forças para tomar o Garça-Real e impedir Hal e seus amigos de chegar a seu destino. É o início de uma sangrenta batalha por mar e por terra que pode sair muito caro à jovem tripulação. O perigo espreita entre as sombras. Contando com a experiência de Thorn e a agilidade de Gilan, Hal precisa combinar as habilidades de marinheiros e arqueiros para enfrentar adversários impiedosos. Mas será que Hal conseguirá comandar e proteger todos ao mesmo tempo? Ou sua jornada terminará antes de começar?


1. Os exilados
2. Os invasores
3. Os caçadores
4. Os escravos

A montanha é o quinto volume da série Brotherband, do John Flanagan. É muito difícil eu pegar uma série e ler um livro atrás do outro, mas com essa é simplesmente impossível não querer ler mais e mais. A escrita do autor é muito envolvente e o enredo é cheio de aventuras e perigos, o que deixa tudo ainda mais empolgante. Esse é um livro juvenil, mas não pense nem por um momento que a história tem um desenvolvimento fácil e bobo, pelo contrário, John trabalha muito bem tanto os personagens quanto a trama. 

domingo, 9 de setembro de 2018

[Resenha] Pacote completo

| 3 comentários
Autora: Lauren Blakely
Páginas: 240
Editora: Faro Editorial
Série: Big rock, 4
Chase levava uma vida tranquila como médico na movimentada Nova York, sucesso entre as mulheres, parecia que não faltava nada... até que descobre que seu contrato de aluguel está para vencer e se vê entre duas opções: morar na rua e dividir apartamento com a deslumbrante irmã do seu melhor amigo. O problema é que conseguir um bom apartamento em Nova York é mais difícil do que encontrar o amor verdadeiro.
E se eu tiver que dividir um espaço com alguém, que seja com uma garota tão maravilhosa como a irmãzinha do meu amigo. Só peço que os céus me ajudem. Eu posso resistir à Josie. Sou disciplinado, e, se me esforçar, consigo manter meus pensamentos sob controle, mesmo no minúsculo apartamento que dividimos. Mas, certa noite, bem atordoada com um dia difícil, ela insistiu para deitar-se ao meu lado, sob as mesmas cobertas. Isso a ajudaria a dormir, foi o que ela disse...
MAS COMO UM HOMEM COMUM PODE RESISTIR A UMA SITUAÇÃO COMO ESSA? O difícil vai ser segurar a tentação diante da tensão sexual que desperta toda vez que os dois dividem bons momentos. Entre conversas, pizzas e risadas, o clima esquenta e Chase percebe que aquela que em pouco tempo já se tornou uma amiga, pode ser algo mais... talvez um pacote completo.

1. Big rock
2. Mister O

Pacote completo é o quarto livro da série Big rock, da autora Lauren Blakely. Eu acabei lendo fora da ordem - ainda não li o terceiro volume -, mas as histórias são independentes, então não tem problema. O único porém é que apareceram personagens do livro anterior, e eu boiei um pouco. Mas, nada que afete a leitura. Eu gosto bastante da escrita dessa autora, principalmente quando o protagonista é homem e a narrativa é em primeira pessoa. Lauren tem o dom de criar diálogos divertidos, e a perspectiva masculina que ela coloca em suas obras é muito interessante. Dos livros que eu já li da série, eu conheci personagens galinhas, com um ego gigantesco, e como no caso de Pacote completo, conheci aquele que é mais sensível e aberto aos seus sentimentos. 

sexta-feira, 7 de setembro de 2018

[Resenha] Homem-objeto e outras coisas sobre ser mulher

| 8 comentários
Autora: Tati Bernardi
Páginas: 256
Editora: Companhia das Letras
Reunião das melhores cronicas de uma das mais irreverentes escritoras contemporâneas. Desde que começou a escrever semanalmente para a Folha de S.Paulo, em 2013, Tati Bernardi não parou de conquistar leitores. Com sua prosa hilariante de inteligencia frenética, ela se tornou uma das principais criticas dos costumes da classe media meio intelectual, meio de esquerda usando aqui a expressão cunhada por Antonio Prata, autor da mesma geração. Homem-objeto reúne seus melhores textos e traz uma cronica inédita, Meu marido joga videogame , que retrata um dos temas que se sobressaem no conjunto, não apenas pela recorrência, mas pela originalidade e destemor com que e tratado: a experiencia de ser mulher no mundo contemporâneo. Tati diverte como poucos autores, e são muitos os leitores que abaixam o jornal para que a gargalhada possa ecoar como deve. Como dizia um velho filosofo, nos rimos porque doí. Talvez o elemento comum entre suas cronicas sobre constipação, espermograma ou taquicardia seja que todas tratam de sentimentos íntimos e profundos. O resultado, esperado ou não, e uma surpreendente dose de poesia. Tati Bernardi consegue transformar suas idiossincrasias cotidianas em literatura, numa mistura hilariante de desespero e humanidade. Ela seria cômica, se não fosse trágica. 


Admito que escolhi esse livro com um certo receio, tenho um histórico de amor e ódio com alguns autores cronistas de jornal. Mas grata surpresa, a autora que para mim era totalmente desconhecida se tornou umas das mais queridas.